Facebook novamente pirateado… Desta vez foram as mensagens privadas

Mais um dia, mais uma falha de segurança do Facebook… Desta vez, parece que o alvo dos ‘hackers’ foram as mensagens privadas de mais de 81.000 contas.

Contudo, parece que a rede social Facebook está a tentar limpar as suas mãos, culpando as extensões ‘maliciosas’ que os utilizadores usam nos seus browsers.

Antes do anúncio ter sido removido, os hackers estavam a tentar vender o acesso aos dados roubados, por qualquer coisa como 10 cêntimos por conta! Mencionando que tinham cerca de 120 milhões de contas na sua base de dados.

Facebook novamente pirateado

A empresa de segurança informática Digital Shadows, examinou os dados disponíveis, determinando que cerca de 81.000 contas tiveram as suas mensagens privadas roubadas, enquanto que os dados de outras 176.000 contas foram também roubados, onde podemos incluir endereços de e-mails, e até números de telemóvel.

As vítimas parecem ser maioritariamente da Russia ou Ucrânia. No entanto, as contas afectadas são um pouco de todo o mundo, onde podemos incluir Inglaterra, Estados Unidos, Brasil, etc…

Todas as mensagens roubadas são de cariz pessoal, com temas desde conversa de namorados, até discussões sobre música.

Dito tudo isto, o Facebook já veio a público explicar que o problema não é a sua segurança… Mas sim as extensões que vários utilizadores usam nos seus browsers, como Chrome ou Firefox. Contudo, a rede social ainda não mencionou qualquer extensão responsável pela quebra de segurança.

Guy Rosen, executivo do Facebook explicou que:

“Contactamos os criadores dos browsers, para garantir que este tipo de extensões deixaram de estar disponíveis para download nas suas lojas. Além disso, também contactamos as autoridades locais e organizações responsáveis, para retirar o site com os dados roubados da Internet.”

Em suma, parece que o ano de 2018 continua a ser um ano de pesadelo para o Facebook!

No entanto, também podem ser más notícias para os responsáveis pelos mais variados navegadores, devido às acusações da rede social.

Fonte