Samsung Galaxy Note 9: Tudo o que precisa de saber

Agora que a data de lançamento do Samsung Galaxy Note 9 já foi confirmada pela Samsung, eis que os rumores e as informações são mais que muitas. Nas próximas linhas dizemos-lhe tudo o que podem esperar da nova coqueluche da Samsung.

Samsung Galaxy Note 9: Design

Os muitos rumores que foram chegando à Internet nos últimos meses deixam adivinhar que a Samsung não fará nenhuma alteração radical no Galaxy Note 9 e vai disponibilizar mais um dispositivo com um ecrã Super AMOLED anunciado como “Ecrã Infinito”.

Sendo muito difícil de diferenciar, comparativamente ao antecessor Galaxy Note 8, os utilizadores vão poder contar com uma construção que combina metal e vidro, com um painel que se curva ligeiramente nas extremidades.

Destaca-se também a presença de um botão Bixby dedicado e que estará localizado abaixo do controlo de volume à esquerda. Já na parte traseira está um leitor de impressões digitais montado na parte traseira, embora esteja posicionado abaixo a configuração de câmara dupla em vez de estar à direita.

Na moldura superior estará o sensor de luz ambiente, módulo infravermelho e uma câmera de 8 megapixéis com suporte para HDR e focagem automática.

Imagem: Phonearena.com

A renderização que pode ser observada acima e que foi criada pelo site PhoneArena é uma representação muito próxima do tablet.

À semelhança do antecessor, o Galaxy Note 9 deve ter certificação IP68. Isto significa resistência a partículas de poeira e água.

Samsung Galaxy Note 9: Especificações

Embora o Galaxy Note 9, até agora, tenha evitado com sucesso aparições públicas, muitas das suas especificações já foram vistas em testes de desempenho. Com isto passaram a ser conhecidas muitas das especificações.

Ecrã e processador

Assim, a nova coqueluche da Samsung virá com um painel de 6,4 polegadas que disponibiliza uma resolução de 2.960 por 1.440 pixéis. Já a proporção é de 18,5:9. Ainda no campo do ecrã, este dispositivo deve ser protegido por vidro Gorilla Glass 5.

À semelhança do que acontece com a gama Galaxy S9, a versão do Galaxy Note 9 que vem para Portugal deverá integrar o chipset Exynos 9810 da Samsung. Já os modelos que se destinam aos Estados Unidos, Canadá, México e China provavelmente vão apostar no Snapdragon 845 da Qualcomm.

Quatro variantes

O Galaxy Note 9 deverá chegar com quatro configurações de memória e capacidade de armazenamento. Os dois que rumam ao Ocidente terão 6 GB de RAM e uma opção entre os 64 GB e 128 GB de espaço. Já os outros dois terão 8 GB de RAM e 256 GB ou 512 GB de memória flash. As últimas variantes só estarão disponíveis na Coreia do Sul e na China.

Importa destacar ainda o suporte para cartões de memória até 2TB, ao qual se juntam as funcionalidades de NFC, Bluetooth 5.0, GPS e 4G LTE. Existem rumores de que o Galaxy Note 9 terá uma bateria de 4.000mAh e será compatível com o Adaptive Fast Charging da Samsung, o que significa que será mais lento do que praticamente qualquer outro topo-de-gama do mercado. Importa salientar ainda a presença do carregamento sem fios.

Câmaras

A configuração de câmara dupla de 12 megapixéis do Galaxy Note 8 deve voltar com o Galaxy Note 9, embora a Samsung tenha adicionado melhorias significativas em comparação ao modelo de 2017. Uma das melhorias deverá ser certamente a abertura variável que está presente na linha S9.

As vantagens da abertura variável

Uma vez que as câmaras dos smartphones têm sensores de imagem muito mais pequenos do que as máquinas fotográficas DSLR, melhorar a quantidade de luz capturada pelo sensor é algo de extrema importância para os smartphones conseguirem disponibilizar sempre uma melhor qualidade de imagem. Na prática, o desempenho da câmara de um smartphone está claramente numa situação mais desfavorecida em condições de pouca luz; Provavelmente já lhe aconteceu tirar fotografias à noite e elas ficarem cheias de grão e ruído. Uma abertura maior (ou seja, um f-stop menor) permite a entrada de mais luz para o sensor e ajuda a resolver o problema.

A Samsung tem certamente o objetivo de melhorar a captura de imagens à noite e em situações de baixa luz, permitindo a entrada de mais luz no sensor. No entanto, as aberturas muito largas devem ser equilibradas com um fabrico de lentes de elevada qualidade de modo a minimizar as aberrações ou as potenciais distorções nas imagens, como falta de nitidez, desfocagem ou queima. É que por si só, uma abertura mais ampla não garante o aumento da qualidade da imagem, mas pode ajudar em situações de pouca luz, caso tudo esteja bem feito.

Igualmente importante é o potencial de sobreposição de imagens quando a luz é abundante. Enquanto um ISO inferior e as velocidades de obturação rápidas podem ajudar a neutralizar qualquer exposição excessiva de uma abertura mais ampla, limitam as opções de disparo e podem até não resultar em imagens corretamente expostas. Limitar a luz que entra no sensor com uma segunda configuração de abertura menor é uma solução mais flexível que permite o melhor dos dois mundos. É sem dúvida uma funcionalidade obrigatória para quem leva a sério a fotografia.

É importante considerarmos a relação entre abertura, distância focal e profundidade de campo. Como os sensores do telefone estão muito perto da lente, o campo de visão é bastante largo e a profundidade de campo não é muito superficial. No entanto, tem havido uma tendência recente de incorporar os efeitos artísticos do bokeh, e a inclusão foi, sem dúvida, o grande atrativo nos sistemas de câmara dupla.

O funcionamento

A tecnologia de abertura variável da Samsung parece funcionar de forma quase idêntica às câmaras de abertura variável mais tradicionais. As imagens que chegaram à Internet do W2018 apontam para uma versão em miniatura das lâminas de abertura convencionais sobrepostas para controlar o tamanho da abertura. É uma tecnologia totalmente mecânica.

No entanto, em vez de se mover entre um tamanho máximo e mínimo para produzir um intervalo de configurações de abertura, a implementação da Samsung está limitada a duas configurações diferentes – f/1.5 e f/2.4.

A saída para auscultadores continua

A porta USB Tipo-C presente no Galaxy Note 9 vai suportar certamente o padrão 3.1. No entanto a Samsung não vai abandonar a saída para auscultadores de 3,5 mm. De facto, este é dos últimos fabricantes a resistir à tendência de eliminar esta porta.

Outras caraterísticas dão conta do suporte para o Intelligent Scan, o sistema de autenticação da Samsung que combina o reconhecimento facial com a análise da íris. Já o Secure Folder e outras aplicações proprietárias estarão também presentes, para além de um retorno dos AR Emoji, uma solução para aplicar filtros de realidade aumentada nos rostos em tempo real que estreou pela primeira vez no Galaxy S9.

O Galaxy Note 9 deverá ser compatível com o DeX Station e DeX Pad.

As cores

Ao nível das cores temos o regresso dos tons clássicos da Samsung.

Assim e como revela a imagem acima poderemos contar com as cores Azul, Castanho, Preto, Lavanda e Cinzento.

Quanto a preço a nova aposta da Samsung deverá rondar os 900 e poucos Euros, como acontece com o Note 8.