Quarentena resultou num aumento de 50% na pirataria de filmes!

A pandemia fez com que tivéssemos de mudar a maneira como vivemos as nossas vidas, o que claro está, inclui a pirataria de conteúdo multimédia na Internet. Caso não saiba, curiosamente, um dos efeitos imediatos do COVID-19 foi a extensa partilha do filme Contágio, muito provavelmente porque as pessoas pensavam que estavam a viver um autêntico filme nas suas vidas reais… Mas a coisa não ficou por aqui.

Afinal, o tráfego pirata aumentou consideravelmente, e alguns serviços até sofreram com alguma degradação dos serviços normais. Algo que também aconteceu no mundo do IPTV Pirata numa fase inicial, e novamente no fim de Abril, como noticiámos aqui.

Quarentena resultou num aumento de 50% na pirataria de filmes!

pirataria, iptv, filmes

Portanto, no início do mês, o site TorrentFreak criou um gráfico com o pico de tráfego por país no BitTorrent. E meus amigos, Portugal está em quarto lugar, logo atrás de países bem mais afetados como Itália e Espanha, ao demonstrar um aumento de 47% no tráfego ilegal.

Nota: Este gráfico mostra o aumento de visitas entre os últimos sete dias de Fevereiro e a última semana de Março, ou seja, o mês em que as coisas se tornaram bem reais na Europa.

Curiosamente, enquanto a pirataria de filmes e séries aumentou seriamente, a pirataria de eventos desportivos caiu cerca de 50%! Tudo devido ao facto de todos os desportos a nível mundial terem sido adiados ou até mesmo cancelados. Algo que também resultou num decréscimo das subscrições de IPTV Pirata, um fenómeno que acabou por mudar em Abril, devido ao facto dos serviços legais terem sido obrigados a baixar a qualidade de imagem para manter as infra-estruturas de Internet ‘saudáveis’.


Ademais, o que pensa sobre tudo isto? Partilhe connosco a sua opinião nos comentários em baixo.

Fonte

Gosta da Leak? Contamos consigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir. Obrigado!

Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

Leia também

Deixe um comentário