Chrome: vale mesmo a pena usar o modo anónimo?

Os smartphones transformaram-se numa ferramenta obrigatória para o dia-a-dia. Ajudam-nos a estar em contacto com quem é mais importante no dia-a-dia e até a trabalharmos melhor. No entanto, podem também ser um pesadelo ao nível da privacidade. É que se não tivermos cuidado podemos revelar coisas que não queremos a familiares e amigos que agarrem no nosso smartphone. Para que isto não aconteça e sobretudo para mantermos as nossas navegações e outros pormenores privados está disponível um modo anónimo no Chrome e não só. Mas será que ele é realmente eficaz ou mais vale não utilizarmos?

Chrome: vale mesmo a pena usar o modo anónimo?

A palavra anónimo significa ocultar a verdadeira identidade. É uma forma de estarmos mais protegidos quando estamos a navegar pela Internet. Basicamente oculta o nosso histórico de navegação para que outras pessoas não possam ver os sites que visitámos.

Utilizar o modo anónimo

O modo anónimo está disponível na aplicação Chrome e noutros browsers, tanto em smartphones como em tablets. Para o utilizar, nada mais fácil.

No seu dispositivo Android, abra o Chrome e carregue nos três pontos no canto superior direito. Depois na janela que aparecer deve escolher Novo separador anónimo. Depois irá navegar de forma mais particular.

Chrome 79, Google Chrome Android

Resumidamente, o modo de navegação anónima impede que outras pessoas que agarrem no dispositivo vejam o histórico do browser. Nesse modo, o próprio Chrome não guarda o histórico do navegador nem os dados introduzidos em formulários da Internet. Entretanto, o Google Chrome não sincroniza o histórico de navegação privado com a cloud, se estiver ligado à conta Google. É verdade que a Chrome pode guardar cookies, dados do site e permissões concedidas, mas só enquanto estiver a navegar. De resto tudo será excluído quando fechar o separador anónimo.

Mas algumas informações ainda estão acessíveis a outros

O modo anónimo impede que o Chrome registe as suas sessões de navegação no smartphone. Mas isto não impede que outras pessoas vejam a sua atividade on-line.

Por exemplo, qualquer site que visitar saberá que o visitou, assim como os seus anunciantes. Qualquer site no qual fizer login saberá que lá esteve porque fez o login. Se estiver no trabalho ou na escola, quem administra a rede terá acesso ao seu histórico de navegação. O mesmo vale para os operadores de Internet. Para além disso, os mecanismos de pesquisa também terão acesso ao seu histórico de navegação e podem até mostrar sugestões com base onde está ou no que está a fazer.

O que é que essas entidades realmente conseguem ver? O seu endereço IP, que é uma forma de identificar a sua localização. A sua atividade em tempo real ao usar um site ou serviço.

Dark Mode Chrome 79, pesquisar no Android

Agora uma ressalva. O próprio Chrome não armazena a referência a nenhum ficheiro que possa descarregar. No entanto, os ficheiros são guardados na pasta principal de downloads e ficam lá, mesmo depois de fechar a sessão de navegação anónima.

Para além disso se, por acaso, guardar um favorito relativo a um determinado site em modo anónimo ele vai ficar guardado na pasta de favoritos.

Então vale a pena ou não usar este modo?

Pode valer a pena em determinadas circunstâncias. Embora não estejamos protegidos quando navegamos na Internet, pelo menos estamos protegidos de determinados constrangimentos em relação a amigos e família que tenha acesso ao nosso smartphone.

Por exemplo, utilize a navegação privada se a sua família partilhar um tablet ou um PC – principalmente se houver crianças em sua casa.

Use também o modo anónimo se estiver a utilizar um computador público, especialmente se tiver de preencher algum formulário e não quer que nenhum dado fique registado.

Por fim, se anda a ver sites “especiais” e não quer que o seu parceiro ou a sua parceira saibam, a navegação anónima é a melhor forma de manter essas informações para si.

Fonte

Entretanto clique aqui para seguir a Leak no Google Notícias e ficar a par de todas as informações mais importantes. Pode também subscrever aqui a nossa Newsletter e receber as notícias no seu e-mail.

mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Especiais

Subscreva a Newsletter Leak

Não perca nenhuma informação importante! Subscreva a newsletter Leak e receba todas as notícias, destaques e outras informações importantes no seu e-mail.