Xiaomi Mi Band 4 aposta num processador inovador com IA

Xiaomi Mi Band 4

A nova versão de um dos wearables mais populares em todo o mundo, a Xiaomi Mi Band, vai ser apresentada amanhã, dia 11 de Junho. De facto, muito se tem escrito acerca da Xiaomi Mi Band 4 e de tudo o que vai oferecer. Agora há uma novidade fresquinha. É que o CEO da Huami, a marca que pertence ao ecossistema da Xiaomi, lançou uma novidade acerca do processador que vai dar vida ao novo dispositivo. Dito isto, Wang Huang falou do chip Huangshang No.1 que foi produzido em massa. Considerando que logo à seguir falou da Xiaomi Mi Band 4 não há muito para adivinhar pois não?

Xiaomi Mi Band 4 aposta num processador inovador com IA!

O Huangshan No. 1 que é como quem diz um chipset para wearables com inteligência artificial foi lançado no ano passado pela Huami. Este processador é apresentado como mais eficiente que os concorrentes baseados no Cortex M4 da ARM.

Isto é sem dúvida um grande feito para a Xiaomi. Na prática estão a tentar deitar a mão a um processador baseado no RISC-V de código aberto, ao invés de optarem por uma alternativa ARM mais popular.

O timing também é significativo e sinceramente acho que a ARM tem razões para começar a ficar preocupada. É que ainda há alguns dias, a Qualcomm fez um grande investimento na start-up SiFive que também desenvolve esta mesma arquitetura. Dito isto, parece que as empresas estão à procura de alternativas aos chips Cortex da ARM.

Entretanto, o Huangshan No. 1 (MHS001) é o primeiro processadores para wearables do mundo que suporta a inteligência artificial. De facto, existem quatro núcleos de inteligência artificial. Temos o motor de acompanhamento cardíaco biométrico, ECG, ECG Pro e outro que deteta batimentos fora do normal.

Isto é também algo extraordinário para a Huami. A gama Mi Band vende sempre muito bem. De facto vende milhões de unidades em pouco tempo. Isto significa que foi necessário produzir milhões de processadores. 

Um aspecto interessante é que todas estas mexidas também podem ser uma boa notícia para a Huawei. É que depois do que aconteceu com a Huawei e com a Hisilicon após o banimento por parte dos Estados Unidos, uma alternativa como estas não podia chegar em melhor altura. Se a ARM continuar de porta fechada à Huawei, este fabricante necessita de alternativas. Ora parece que encontrou uma, ou várias.

O que se sabe até agora sobre a Xiaomi Mi Band 4? 

Bem, logo à partida sabemos que tem um design semelhante à Band 3. No entanto, o ecrã não é tão curvo como o modelo antecessor.

da Xiaomi Mi Band 4

Uma coisa está prometida. O novo wearable terá grandes atualizações! Um dos aspetos mais interessantes é o ecrã de maiores dimensões. De facto, o painel é 39,9% maior em relação à Band 3. Entretanto, o ecrã colorido vai contar com mais de 16 mil pixéis. Para além disso, o relógio também vai ter diversos mostradores personalizados. Todos gostamos de personalizar os nossos wearables. De facto, a imagem que chegou à Internet mostra várias Mi Band 4, com um mostrador de relógio diferente.

Para além da mudança para um ecrã a cores há outra novidade!

É que a Xiaomi Mi Band 4 vai apostar numa bateria mais duradoura. Isto faz algum sentido. Um ecrã a cores, por si só, consome mais energia. Aliás esta é a primeira Mi Band que não tem um ecrã a preto-e-branco.

A nova Mi Band 4 vai estar disponível em dois modelos. Os dois terão um ecrã OLED colorido, mas têm diferenças na conectividade. Uma vem com NFC, que é útil para pagamentos e a outra não. Entretanto, este dispositivo terá uma bateria de 135mAh. Lembramos que a Mi Band 3 tinha 110 mAh.

Entretanto este wearable já está em pré-venda por 44,84 Euros no AliExpress.