Rape Day: Jogo que permite violações foi corrido do Steam

Depois de basicamente permitirem tudo na sua loja online, a Valve decidiu recuar e tirar um jogo do Steam, mesmo antes de ele ser lançado. O novo jogo chama-se “Rape Day” ou em português dia de violação. Foi proibido nesta plataforma depois de alguma análise por parte da Valve.

O “Rape Day” é um jogo pós-apocalíptico de Zombies mas tem um twist.

Para além das normais tentativas de sobrevivência este jogo permite violar mulheres. Antes de ter sido retirado do Steam, a página alusiva ao jogo já tinha vários avisos alertando que o jogo continha violência, cenas de assalto sexual, sexo não consensual, necrofilia e incesto.

Rape Day

De facto esta medida embora lógica, não era muito esperada por parte do Steam. É que de facto, esta loja permitia tudo. Ainda assim este jogo de violação muito controverso atravessou uma linha muito complicada. Assim, esta loja lançou um comunicado a divulgar que não vai distribuir este jogo.

A declaração da Valve não revela muitos detalhes acerca deste jogo. Na realidade, só fala de custos desconhecidos e riscos caso o disponibilizassem nesta plataforma.

O facto desta remoção ter apanhado alguns utilizadores de surpresa foi um post no blog da Valve em 2018. Nessa altura eles referiram que iriam colocar-se na posição de decidir o que estaria ou não disponível para compra nesta plataforma. Como se isto não bastasse, ainda afirmaram que a abordagem seria permitirem tudo. Claro que ficariam de fora as coisas ilegais.

Rape Day

Entretanto, o Desk Plant, o estúdio responsável pelo jogo, diz que vai procurar outras plataformas para se assegurar que este título vê a luz do dia.

Entretanto e já que falamos em Valve, saiba que esta é mais recente empresa a despedir alguns funcionários. A empresa confirmou que demitiu um número indeterminado de contratados. A eles juntam-se treze trabalhadores a full-time. Muitos deles estavam a desenvolver hardware de realidade virtual.

A revelação da Valve começou numa página descoberta pelo site UploadVR

O site UploadVR encontrou uma página no site da Valve que listava os funcionários atuais. Nessa lista faltavam nove funcionários. No entanto, eles ainda estavam presentes no final de janeiro. Entretanto vários desses indivíduos utilizaram as sociais para revelarem que não trabalhavam mais para a empresa.

Assim Nat Brown, que trabalhava na Steam ao nível do suporte para placas gráficas externas, afirmou que parou de trabalhar na Valve a 7 de fevereiro. Entretanto, outro ex-trabalhador, Rob Rydberg, que trabalhou no departamento de realidade virtual, usou o LinkedIn para revelar que também havia saído em fevereiro. Pelo menos quatro dos funcionários que foram dispensados ​​vieram da equipe de engenharia de hardware da Valve, trabalhando em produtos como o headset de RV da Valve.