Cuidado: as impressoras 3D escondem este perigo! Tem alguma?

As impressoras 3D são realmente interessantes. Tanto dão para se utilizarem por amadores que se querem aventurar nos mais variados projetos, como a nível profissional. Neste último campo a escala dos projetos que podem ser realizados através da tecnologia de impressão 3D é verdadeiramente espantosa, especialmente quando utilizada por utilizadores experientes. Até se pode utilizar para o fabrico de peças de avião e para a era espacial. No entanto, a maioria dos utilizadores de impressoras 3D não está provavelmente a fabricar aviões e novas informações revelam que estes equipamentos podem estar a afetar a saúde de quem os utiliza. Vamos então olhar para o perigo que as impressoras 3D escondem.

Cuidado: as impressoras 3D escondem este perigo! Tem alguma?

O processo de impressão 3D é incrível para os recém-chegados à tecnologia. Algumas das formas mais comuns de impressão 3D incluem a estereolitografia, a modelação por deposição fundida e o Processamento Digital de Luz. As especificidades diferem muito entre os métodos. No SLA, por exemplo, um laser ultravioleta e um forno ultravioleta utilizam-se em sequência para formar e depois tratar os materiais de resina. As impressoras DLP são consideravelmente mais rápidas porque, em vez disso, aquecem a superfície para a derreter, poupando um passo.

No entanto, qualquer que seja a forma de impressão 3D utilizada, o processo resume-se a um ato específico: a fusão e a remodelação de plásticos. Utilizam-se normalmente temperaturas de cerca de 220°C para este fim com filamentos PLA. Isto significa que os operadores devem ter cuidado ao utilizar as suas impressoras para evitar quaisquer riscos potenciais de queimaduras.

Um relatório de segurança sobre impressoras 3D da Universidade de Concordia refere que outra das principais preocupações de segurança a ter em conta com as impressoras 3D é a dos químicos emitidos pelo processo: “Estudos sobre o processamento térmico do plástico mostram que o equipamento de extrusão industrial emite substâncias perigosas. Mesmo a uma temperatura moderadamente elevada (por exemplo, 170-240°C), são emitidas substâncias gasosas durante o processamento térmico de termoplásticos.”

- Advertisement -

A proliferação de microplásticos é uma questão de preocupação global

Mas qual o impacto que as emissões das impressoras 3D podem ter na nossa saúde?

O estudo de 2023, “Caracterização de emissões voláteis e de partículas de impressoras 3D de mesa”, é a última tentativa de iluminar o assunto. Os autores revelam que a impressão 3D está cada vez mais popular, tanto em casa quanto em ambientes profissionais dedicados, e começaram a determinar a adequação do processo a esses ambientes. Para o efeito, criaram o que consideraram uma “câmara de impressão caseira” a partir de dois contentores de armazenamento, onde colocaram uma impressora 3D FDM.

“A cromatografia gasosa/espetrometria de massa utilizou-se para determinar o perfil das emissões de COV (compostos orgânicos voláteis). Já um analisador de partículas quantificou e caracterizou as emissões de partículas”, explica o estudo. Um simples cubo de 20 mm de lado foi impresso em 26 minutos, utilizando oito filamentos de ABS e oito de PLA. Após cada utilização, as fibras SPME adicionaram-se à máquina durante 15 minutos antes de serem extraídas. Entretanto, um sensor WIBS (Wideband Integrated Bioaerosol Sensor) mediu as partículas emitidas enquanto a impressora estava a ser utilizada.

“Em geral, as emissões totais de COV são maiores para o ABS do que para o PLA”, concluiu o relatório. Mas os resultados variaram muito de filamento para filamento. As cores dos filamentos e, por conseguinte, os aditivos utilizados, podem potencialmente fazer a diferença. Mas em geral, os irritantes acetofenona e benzaldeído estão entre os COV encontrados quando se examinaram os resultados, assim como a caprolactama, descrita como “um irritante … associado à toxicidade ocular e respiratória”. Este último, juntamente com o Lactídeo, “razoavelmente uniforme em termos de abundâncias recuperadas”.

Segurança na impressão 3D

O estudo “Characterization of Volatile and Particulate Emissions from Desktop 3D Printers” não afirma, obviamente, que determinados filamentos produzirão sempre quantidades específicas de COVs específicos, uma vez que os factores ambientais, o modelo e as definições da impressora e outras variáveis afectam estes aspectos.

O que é claro é que o processo de impressão 3D pode produzir emissões potencialmente nocivas. São exemplo disso o estireno, que os investigadores descobriram estar entre “os três maiores emissores”.

Em outubro de 2022, a Forbes citou a Vice-Presidente e Conselheira Técnica e Estratégica Sénior do Chemical Insights Research Institute of Underwriters Laboratories, Marilyn Black. Assim afirmou que tais emissões assemelham-se à poluição atmosférica libertada pelos gases de escape dos veículos… esta poluição está associada a doenças pulmonares e cardíacas ou a doenças cardiopulmonares”.

O impacto a longo prazo da impressão 3D na saúde humana é um tema que ainda encerra muitos mistérios. Seja como for é bom ter-se sempre algum cuidado.

Entretanto clique aqui para seguir a Leak no Google Notícias e ficar a par de todas as informações mais importantes. Pode também subscrever aqui a nossa Newsletter e receber as notícias no seu e-mail.

mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Especiais

Subscreva a Newsletter Leak

Não perca nenhuma informação importante! Subscreva a newsletter Leak e receba todas as notícias, destaques e outras informações importantes no seu e-mail.