Estados Unidos deram o tiro fatal na Huawei mas há resposta!

Um ano depois da inclusão da Huawei na lista de entidades dos Estados Unidos, o mundo está muito diferente. Não por causa desse facto, mas devido à pandemia que estamos a viver. Ainda assim, nem o COVID-19 distraiu Trump da guerra com a China que até aproveitou este período para disparar o tiro fatal contra a Huawei. A cadeia de televisão CNBC relata que a administração Trump começou a bloquear o envio de chips para a Huawei, fabricados fora dos Estados Unidos.

Estados Unidos deram o tiro fatal na Huawei mas há resposta!

A maioria das empresas de tecnologia como a Apple, Qualcomm e MediaTek desenvolvem os seus próprios chips, mas não têm instalações para produzi-los. É aí que fabricantes como a TSMC entram. Desenvolve, por exemplo, o A13 Bionic para a Apple, o Kirin 990 para Huawei e o Snapdragon 865 para Qualcomm.

Estados Unidos Huawei

Agora se quiser ceder algo à Huawei a TSMC tem de pedir aos Estados Unidos

O Departamento de Comércio americano revelou que alterou uma regra de exportação para “atingir estrategicamente a aquisição de semicondutores por parte da Huawei e que resultem de aplicações e tecnologias dos EUA”.

De algum modo a Huawei já tinha previsto isto e como tal transferiu a produção de alguns chips para a SMIC. No entanto, este fabricante aposta na tecnologia de produção de 14nm. Dito isto, está muito atrás do processo de fabrico de 5nm da TSMC. E isto é mesmo muito importante. Na prática é a diferença entre colocar 44 milhões de chips por mm quadrado e 171,3 milhões por mm quadrado. Apenas para dar um exemplo a Huawei está a usar a SMIC para produzir o chipset Kirin 710A que utiliza nos smartphones de gama média.

Estados Unidos Huawei

Entretanto, a TSMC já tinha uma encomenda para entregar à Huawei até ao final do ano. Falo do primeiro chipset Kirin de 5 nm que iria alimentar a próxima gama Mate 40. Agora isto só poderá acontecer se os Estados Unidos deixarem.

O que também continua de fora e isto não é de estranhar são os Google Mobile Services. Ou seja, estes equipamentos vão continuar sem a Play Store, Gmail, Google Maps e muito mais.

A resposta da China

Em resposta a esta iniciativa americana a China também se prepara para tomar medidas. Apple, Qualcomm e outras podem sofrer.

De acordo com uma fonte citada pelo Global Times vão ser implementadas várias “contramedidas”, incluindo a criação de uma “lista de entidades não confiáveis” que resultaria em restrições às empresas americanas, incluindo a Apple. Outras empresas norte-americanas que vão ser alvo de retaliação são a Qualcomm, Cisco e Boeing.

Qualquer retaliação contra empresas de tecnologia dos EUA que resulte na proibição dos seus produtos na China pode representar um grande golpe financeiro. Durante o segundo trimestre fiscal, 14,8% das receitas da Apple vieram da China.

Gosta da Leak? Contamos consigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir.

Subscreva a newsletter Leak e tenha acesso diário aos principais destaques, ofertas e descontos nos parceiros Leak. Clique aqui

Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Leia também