Esqueça o mmWave, o Wi-Fi é o verdadeiro 5G!


Por em

As redes 5G da próxima geração estão de volta às manchetes, especialmente após o lançamento do Moto Z3 5G Moto Mod. Embora não seja um smartphone 5G autónomo, o Moto Mod suporta a tecnologia 5G mmWave, a tecnologia básica das redes 5G, juntamente com sub-bandas de 6GHz.

A tecnologia MmWave envolve a utilização de sinais de rádio de alta frequência que são usados para transmitir dados. As redes típicas 4G operam num espectro entre 2 a 8GHz, enquanto o mmWave abre a utilização na faixa de 24 a 90GHz. Há claramente muito espaço extra não utilizado nesse espaço para aumentar a capacidade e atingir as metas de velocidade de dados 5G.

No entanto, acho a indústria está a dar importância a mais à tecnologia mmWave. A composição real das próximas redes 5G será muito mais diversificada.

Como será o espectro 5G?

A Global Mobile Suppliers Association (GSA) elaborou um novo estudo que examina o espectro 5G em todo o mundo. Os dados datam de julho de 2018 e representam um quadro muito preciso do espectro que está a ser reservado para o 5G.

O artigo analisa as informações em cada 42 países.

Embora o gráfico mostre que o espectro de mmWave acima de 24 GHz terá um papel significativo nas redes 5G, certamente não é o maior segmento. Na verdade, parece semelhante ao novo espectro de banda baixa que foi alocado. Para além disso, a banda de 700MHz é de longe a maior parte do espectro designada para utilização em todo o mundo.

Isto faz sentido. O espectro MmWave é limitado nas suas aplicações – cobre apenas faixas muito curtas e áreas densamente povoadas que necessitam de uma capacidade muito alta e atualmente é caro de implementar. Frequências abaixo de 1GHz irão sustentar a cobertura em longas distâncias e na extremidade da célula.

Em vez disso, a maior parte das futuras redes 5G vai consistir numa espécie de banda média “sub 6GHz”, que engloba tudo entre 1 e 6GHz. Esta já é uma área razoavelmente congestionada do espectro. O Wi–Fi 2.4GHz e 5GHz e o Bluetooth 2.45GHz já estão nesta faixa, assim como muitas bandas 4G LTE. Assim, grande parte deste novo espectro aparecerá na faixa de 3 a 4 GHz, entre as atuais redes Wi-Fi e LTE, para evitar problemas de congestionamento.

É claro que estes dados vão mudar à medida que os operadores de rede e reguladores foram aperfeiçoando os seus planos 5G nos próximos anos.

mmWave e o problema do 5G

O apelo do espectro inferior a 6 GHz é como um meio termo ideal entre os backbones de rede existentes no espaço 3G e 4G, o que também aumenta a capacidade como o mmWave. As estações base do MmWave oferecem intervalos medidos nas baixas centenas de metros e são muito limitados pela linha de visão e obstáculos como paredes. O Sub 6GHz não sofre com esses problemas de forma tão severa e fornecerá grandes áreas de cobertura em áreas densamente povoadas.

Para além disso, o mercado de equipamentos de redes Wi-Fi de 2,4 a 5 GHz já está bem estabelecido e é rentável. Dimensioná-lo para cobrir áreas maiores para redes 5G não exigirá um grande salto (e caro) para grandes antenas MIMO e matrizes de estações de base, como o mmWave.

O espectro adicional de banda baixa é particularmente importante para melhorar a conectividade da extremidade da célula, tanto a uma distância das principais áreas metropolitanas quanto das geograficamente complexas. As redes Sub-6GHz e mmWave não funcionam muito bem em longas distâncias. Assim as bandas de 700 MHz formarão a espinha dorsal das redes 5G de cobertura ampla, tanto em termos de geografia quanto de novas tecnologias de IoT conectadas.

Fonte

Leia também

Ou veja mais notícias de Especiais

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.
Etiquetas
Anterior

Imagens oficiais do Huawei Mate 20 Lite chegam à Internet

Cientistas podem ter descoberto a explicação para as cores de Júpiter

Seguinte