SSD

A maioria dos utilizadores pensa que o armazenamento serve apenas para… Bem… Armazenar coisas! Mas a verdade é que a melhor maneira de ‘capar’ a velocidade de um bom processador, é metê-lo num sistema com armazenamento lento.

Ao fim ao cabo, um computador pode ter hardware de luxo! Mas se por acaso tiver de perder tempo à espera que as drives SSD ou HDD lhe mandem a informação, tem uma máquina que simplesmente não está a atingir a sua potencialidade máxima.

Um disco rígido é particularmente lento se tiver peças móveis dentro de si. Por isso, o melhor que tem a fazer é mesmo comprar um bom SSD (Solid State Drive) 

Gigabyte SSD

Portanto, primeiramente, é sempre boa ideia ter noção daquilo que precisa, do computador que tem, e claro… Do dinheiro que pode gastar.

Por exemplo, é provável que já tenha ouvido falar dos novos SSDs PCIe 4.0 M.2, de marcas como a Gigabyte, Corsair, etc… Que oferecem velocidade de leitura à volta dos 5Gbps. Mas aqui vai precisar de uma plataforma AMD, com uma das novas motherboards X570. E caso não saiba, a verdade é que apesar das velocidades sequenciais terem subido bastante, um utilizador normal pode acabar por não sentir este aumento no dia a dia.

Entretanto, também já estamos numa altura em que é possível meter a mãos em SSDs com boa quantidade de armazenamento a preços que não lhe irão arruinar a conta bancária. Contudo, a sua velocidade poderá não chegar para si. Mas vamos por partes para tentar explicar tudo isto da melhor maneira.

Conheça o seu computador! Perceba o que realmente precisa

Primeiro, saiba que máquina tem em sua casa e descubra se tem ou não espaço para discos M.2 na sua motherboard. É que caso contrário, só poderá olhar para os SSD de 2.5”.

Similarmente, tente nem olhar para os SSDs com menos de 500GB de armazenamento! Meio Tera já é um bom compromisso entre o preço e a capacidade. Aliás, nos dias que correm, até poderá ser boa ideia olhar para as drives de 1TB se a sua carteira concordar com esta ideia.

Os SSDs SATA são mais baratos, mas também são muito mais lentos!

Se por acaso o seu PC suportar NVMe-PCIe ou drives Optane, compre um SSD com estas tecnologias. É que apesar das drivers SATA serem bem mais comuns e mais baratas, também têm uma performance abaixo destas soluções. Ainda assim, se o que interessa é ter um SSD e não tem muito dinheiro, existem drives SATA muito competentes, capazes de oferecer muita e boa performance.

O que nos leva ao segundo ponto… Qualquer SSD é melhor que um HDD!

SSD vs HDD

Um SSD é sempre melhor que um disco rígido tradicional em termos de velocidade. Aliás, até o pior SSD vai ser pelo menos 3x mais rápido que um HDD.



Quanto é que quer/pode gastar?

Existem SSDs desde os 120GB até aos 2TB. Dito isto, enquanto as drives com menos armazenamento são super baratas, a verdade é que também não vão ser capazes de armazenar grande coisa. Além disso, são também mais lentas em comparação às versões com mais GB’s, devido à maneira como a tecnologia funciona.

Dito isto, a diferença de preço entre um SSD de 120GB e 250Gb é irrisória, e é sempre dinheiro bem gasto.

Entretanto, a diferença no preço entre um SSD de 250GB e um outro de 500GB já é um pouco maior… Mas na nossa opinião, os 500GB são hoje em dia a opção ideal para a grande maioria dos utilizadores. Afinal de contas, já viram o espaço que CoD: Modern Warfare vai ocupar?



Que tipo de SSD pode meter no seu Computador Desktop ou Portátil?

Existem vários tipos de SSDs, com formatos diferentes e interfaces também elas diferentes. Portanto, é preciso ter em conta que o tipo de drive que precisa, depende também do aparelho que tem em mãos.

Assim, se por acaso tem um PC Gaming recente, ou está a montar um PC com uma motherboard de gama média/alta, o seu sistema vai muito provavelmente suportar tudo o que existe no mercado.

Entretanto, no caso dos portáteis, a moda agora é a utilização de drivers M.2, que são bem mais pequenas que os antigos SSD de 2.5”. (Atenção: Vários fabricantes estão a soldar os SSDs na própria motherboard do portátil, o que torna o ato de atualização impossível ou pelo menos muito difícil.)

Formatos de SSD existentes no mercado:

  • 2.5” Serial ATA (SATA) -> O formato mais comum, que ‘imita’ o formato dos tradicionais discos rígidos do passado. Conectam-se com cabos SATA, da mesma forma que os antigos discos rígidos mecânicos de 2.5” também faziam. São compatíveis com 99% dos PCs do mercado.
  • SSD Add-In Card (AIC) -> Estas drives têm um potencial de velocidade bastante mais alto, devido ao facto de se ligarem pelo bus PCI Express, em vez da antiga ligação SATA. Este tipo de SSD é montado nas slots PCI da motherboard, tal e qual como uma placa gráfica.
  • M.2 SSDs -> Com um formato de um módulo de memória RAM, mas sendo mais pequeno, o formato M.2 tornou-se o ‘standard’ do mercado em relativamente pouco tempo. A maioria das motherboards até possui 2 ou mais slots para estas drives, por isso, RAID é possível.
  • U.2 SSDs -> À primeira vista, estes componentes de 2.5” parecem drives SATA. No entanto, a sua conexão é feita por PCIe, sendo também mais grossos que os antigos HDDs. É um tipo de SSD um pouco mais caro.

Isto é muito importante! Quer um SSD com interface SATA ou PCIe?

Depois de tudo o que dissemos em cima, está na hora de perceber o que realmente quer, ou que pode comprar.

Quer um SSD SATA que irá utilizar uma conexão pensada para discos mecânicos. Ou prefere um SSD pensado para o PCI Express? De forma a entrar na auto-estrada do armazenamento?

Mas atenção, dependendo do produto, uma drive M.2 pode funcionar sob a interface SATA ou interface PCI Express. Aliás, as drives M.2 mais rápidas até suportam a tecnologia NVMe, um protocolo criado apenas e só para o armazenamento super rápido.


ATENÇÃO! -> Uma drive M.2 pode ser baseada na tecnologia SATA, na tecnologia PCIe (sem NVME) ou na tecnologia PCIe (com NVME).


Em suma, se as suas tarefas diárias consistem em navegação web, Office, ou até jogos… Não irá notar grandes vantagens na utilização de uma drive NVME. Contudo, se tiver tarefas mais pesadas, como transferência de ficheiros grandes, edição de foto/vídeo, transcoding, compressão/descompressão, talvez seja boa ideia optar por um SSD mais apetrechado.

Que tipo de memória NAND Flash precisa?

Quando compra um SSD, é provável que não olhe muito para isto. Mas talvez seja boa ideia perceber que tipo de tecnologia temos ao nosso dispor.

  • SLC – Single Layer Cell. Um bit por célula, tecnologia tipicamente encontrada em camadas de cache ou SSDs super rápidos no mundo empresarial.
  • MCL – Multi Layer Cell. Dois bits por célula. Podemos encontrar vários produtos deste género no mercado como o Samsung 860 Pro.
  • eMLC – enterprise Multi Layer Cell. A mesma MLC mas com velocidades mais baixas para baixar o número de erros na memória. (Os mesmos 2 bits por célula)
  • TLC – Triple Layer Cell. 3 bits por célula, uma tecnologia que domina o mercado atual.
  • QLC – Quadruple Layer Cell. 4 bits por célula, tecnologia que já podemos encontrar no mercado em produtos como o super barato Samsung 860 QVO.
  • PLC – Penta Layer Cell. 5 bits por célula, a nova tecnologia que a Toshiba e Intel têm como aposta.

Então e o armazenamento Optane/3D XPoint?

A tecnologia 3D XPoint foi criada numa parceria entre a Intel e a Micron, tendo a potencialidade de ser muito mais rápida em relação ao que existe no mercado de SSDs atualmente. Afinal, a velocidade é comparável ao que podemos encontrar na memória RAM.

No entanto, apesar da Micron querer levar a tecnologia para o mercado, a verdade é que os únicos produtos que podemos encontrar são da Intel, na forma da Memória Optane. Que no fundo, não é bem um SSD, é mais uma drive de cache para aumentar a performance de um HDD ou SSD velhote.

Em suma, é uma tecnologia muito recente, demasiado cara, e com pouco armazenamento disponível.

Conclusão

Em jeito de conclusão, agora que falámos um pouco de todo o mercado de SSDs, a sua escolha deve estar um pouco mais clara. Ainda assim, tenha sempre em conta… Comprar um SSD topo de gama super rápido, não quer dizer que irá sentir essa velocidade! Vai ter de ter tarefas que justifiquem toda essa potência.

Ou seja, a não ser que seja um entusiasta ou profissional, é sempre melhor optar por um componente menos caros, mas que olhe oferece o armazenamento que precisa, a uma velocidade decente.


Ademais, o que pensa sobre tudo isto? Partilhe connosco a sua opinião nos comentários em baixo.

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.