(Especial) As ofertas de jogos têm água no bico?

Nos últimos tempos, tivemos ofertas de jogos como GTA 5, Star Wars Battlefront II, Batman Arkham Knight, e de forma bem curiosa, a Sony até ofereceu dois jogos brutais nos últimos dois meses, na forma de FF VII Remake e Shadow of the Tomb Raider.,

São jogos AAA que metem os jogadores loucos e basicamente sedentos de mais qualidade nas futuras ofertas. Mas também são jogos que levantam algumas questões… O que têm as plataformas a ganhar com tantas ‘ofertas’?



(Especial) As ofertas de jogos têm água no bico?

ofertas de jogos

Portanto, a Sony e Microsoft já oferecem alguns jogos mensalmente há alguns anos. No entanto, é inegável que as ofertas aumentarem imensamente de qualidade nos últimos meses. Curiosamente na mesma altura em que a Epic Games Store começou a levantar ondas com a sua estratégia de oferta de jogos.

Muito resumidamente, isto não é por acaso. Aliás, nem é só a Epic Games Store que anda a oferecer jogos, temos também a IndieGala, a Humble Store e também a GOG. Contudo, como já deve ter reparado, a Steam não segue a mesma estratégia… Sabe porquê? É simples! A Steam é a líder de mercado, e não precisa de o fazer.

Ou seja, para chamar a atenção dos jogadores que se habituaram a comprar na Steam, a Epic Games Store teve de abrir os cordões à bolsa! Prática que foi rapidamente assimilada pelas restantes rivais, e que até teve repercussões no mundo das consolas. (Afinal de contas, apesar de o mundo das consolas ainda ser muito mainstream que o do PC, a verdade é que é muito difícil bater jogos de qualidade grátis.)

ofertas de jogos

Oferecer jogos dá dinheiro?

Já ouviu falar da expressão ‘Dinheiro chama dinheiro?” Muito resumidamente, esta é a máxima que a Epic Games Store está a seguir, deixando muito dinheiro para trás, ao mesmo tempo que prepara o terreno para ganhar muito mais relativamente ao que investiu até aqui.

Afinal de contas, além dos jogos de oferta, a Epic também oferece aos developers uma fatia muito mais apelativo do bolo. O que claro está, fez com que vários estúdios começassem com uma guerra com a Steam/Valve, e também levou a que vários acordos de exclusividade fossem assinados com a Epic.

Entretanto, no lado da PlayStation e Xbox, ter boas ofertas mês após mês, faz com que os jogadores fiquem satisfeitos e sintam que o dinheiro da subscrição está a ser gasto. Ao fim ao cabo, estes jogos já não são bem uma oferta, mas sim uma compensação pela ‘lealdade’.

Em suma, o objetivo destes serviços é muito similar ao da Netflix, manter os consumidores conectados à plataforma. E pelos vistos, a missão está a ter sucesso, visto que a Epic Games Store já chegou aos 56 milhões de utilizadores ativos! O que é obviamente muito baixo relativamente aos 120 milhões da Steam, mas representa um salto brutal comparativamente aos 32 milhões de 2019.

Desta forma, ao mesmo tempo que chama jogadores para a plataforma, a Epic também aumentou imensamente o seu catálogo de jogos, e claro, também as receitas mensais.

As ofertas têm água no bico?

Claro que sim! O objetivo é ganhar consumidores pagantes a médio/longo prazo, o que irá acabar por pagar todos os investimento feitos até aqui. Ainda assim, temos de dizer que a estratégia está a funcionar, porque a Epic Games está a oferecer jogos de muita qualidade, com uma média de 77 pontos no Opencritic.


Ademais, o que pensa sobre tudo isto? Partilhe connosco a sua opinião nos comentários em baixo.

Gosta da Leak? Contamos consigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir.

Subscreva a newsletter Leak e tenha acesso diário aos principais destaques, ofertas e descontos nos parceiros Leak. Clique aqui

Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

mm
Nuno Miguel Oliveirahttps://www.facebook.com/theGeekDomz/
Desde muito novo que me interessei por computadores e tecnologia no geral, tive o meu primeiro PC aos 10 anos e aos 15 anos montei a minha primeira torre, desde aí nunca mais parei. Tudo o que seja tecnologia, estou na fila da frente para saber mais.

Leia também