(Análise) Total War: Three Kingdoms – Rumo à conquista da China!

Total War

Total War é uma saga de jogos que tem cada vez mais fãs, devido ao seu sistema de jogo, e acerto na história por detrás de cada batalha… No entanto, o estúdio Creative Assembly decidiu meter o IP na gaveta durante alguns anos, depois do lançamento de Total War: Attile em 2015.

Mas calma! Total War voltou com ‘Three Kingdoms’! Jogo que promete levá-lo até às grandes guerras da história Chinesa, onde poderá entrar na pele de Liu Bei, Cao Cao e até Dong Zhuo. Aliás, em Total War: Three Kingdoms, vai poder liderar as facções comandadas por estas figuras histórias, em batalhas gigantescas e sangrentas, de modo a conseguir conquistar todo o território Chinês.

O mapa é gigantesco! Com gráficos brutais

A primeira vez que joguei o jogo, escolhi Liu Bei, e batalhei um pouco, enquanto tentava perceber como tudo funcionava. Tudo parecia normal, até que fiz ‘zoom out’ e reparei que o mapa é massivo!

Mas não é apenas gigante, é detalhado, com paisagens lindíssimas! O que acaba por ser completado, pelos designs únicos dos heróis mais importantes.



Portanto, se realmente quiser apostar no modo de campanha, vai ter aqui muitas horas de diversão pela frente.

Quanto ao jogo em si, Three Kingdoms traz consigo muito daquilo que levou a saga Total War ao estrelato! Nomeadamente, com os modos Romance e Records.

Total War:

Enquanto Romance é um pouco mais como Warhammer, em que heróis poderosos conseguem lidar e derrotar batalhões inteiros sozinhos… O modo Records é um pouco mais fiel à história. Portanto, neste segundo modo, apesar dos seus heróis serem mais fortes que os soldados normais, vão ter de ser protegidos por outras unidades. (Vai ter de usar alguma estratégia!)

Ainda assim, tendo em conta a maneira como consegue adquirir e gerir heróis… Vai-se sentir um pouco como um jogador de xadrez, a mexer num tabuleiro com várias peças! Afinal de contas, poderá usar estas peças como espiões, e até casá-los para cimentar alianças entre facções, ou simplesmente, para unir territórios.

O jogo parece complicado no início, mas rapidamente irá perceber como tudo funciona

Total War:

É provável que tenha algum dificuldade nas primeiras vezes que tentar jogar! Mas o jogo faz um excelente trabalho em explicar o que se está a passar, e o que tem de fazer, pelo menos numa fase inicial.

Contudo, há muita coisa que vai ter de perceber sozinho, especialmente quando chega a altura de meter os seus homens no campo de batalha. Aliás, ao contrário daquilo que acontecia com outros títulos Total War, agora não pode juntar todos os homens feridos num só grupo… E por isso, irá ter de esperar pela sua recuperação, o que poderá tornar a campanha um pouco mais lenta daquilo que poderia desejar.

Mas lá está, irá ter de perceber como utilizar cada unidade, de forma a ser o mais eficiente possível.

O jogo tem ambientes lindos! Com paisagens de morrer, e designs únicos para cada herói. Além disto, poderá ainda contar com uma grande variedade de unidades, para juntar à sua facção.

Para uma maior autenticidade, até existe uma hipotese para as personagens falarem em Chinês, o que muitos jogadores irão preferir. (Em vez do Inglês com sotaque, que muitas vezes recebemos neste tipo de jogos)

Conclusão

Em suma, se por acaso gosta de um bom jogo de estratégia, e já estava a ‘ressacar’ por um Total War… Este Three Kingdoms é o jogo para si!

Classificação: 9/10


Ademais, o que pensa sobre o jogo? Partilhe connosco a sua opinião, nos comentários em baixo.