Lembra-se das TVs 3D? Estas foram as razões do fracasso!

A chegada da tecnologia de TV 3D foi uma grande novidade na altura, mas acabou por não ter um sucesso generalizado. Ainda me lembro de ter ido a Los Angeles e mais concretamente aos estúdios da Sony Pictures ficar a conhecer tudo aquilo que esta tecnologia poderia fazer pela entretenimento em casa. No entanto, infelizmente não foi bem assim. Foram muitos os fatores que contribuíram para este fracasso, que em 2017 levou a que estes televisores deixassem de ser produzidos por qualquer empresa. De facto, foi em 2017, que as duas últimas empresas que ainda estavam a fabricar TVs 3D, a Sony e a LG, decidiram finalmente abandonar a produção.

Lembra-se das TVs 3D? Estas foram as razões do fracasso!

A tecnologia 3D atingiu o seu auge em 2009 com o lançamento do filme “Avatar”, até hoje o filme de maior bilheteira da história, com um lucro de 2 847 246 203 dólares em todo o mundo. O lançamento nas salas de cinema incluía a opção de ver uma versão 3D do filme e, nessa altura, a popularidade deste formato estava em alta.

No entanto, muitos criticaram os filmes 3D como uma moda passageira, o que também aconteceu com os televisores 3D. Em 2010, os televisores 3D estavam em ascensão, aproveitando o sucesso dos filmes 3D. No entanto, esta foi também uma altura em que as pessoas estavam a começar a atualizar para televisores HD e a maioria não queria gastar mais dinheiro com os seus homólogos 3D. Isto, combinado com o facto de a TV 3D ser inerentemente impraticável, uma vez que cada espetador precisava do seu próprio conjunto especial de óculos, levou ao seu rápido desaparecimento.

Razões do fracasso

Um dos maiores problemas dos televisores 3D é o facto de ser necessário usar óculos para ver a televisão. À primeira vista, isto pode parecer apenas um obstáculo inconveniente, mas na realidade era muito mais complexo. Os produtores de televisores 3D utilizavam um de dois tipos diferentes de óculos 3D para os seus televisores. Um com lentes ativas e outro com lentes passivas. No início, a maioria dos televisores 3D utilizava óculos com obturador ativo. Assim funcionavam através do obturador das lentes direita ou esquerda, respetivamente, a uma velocidade muito elevada para criar a ilusão de 3D.

Estes óculos eram desconfortáveis, caros e carregados de problemas técnicos no início, afastando potenciais consumidores. Por fim, quando os televisores 3D adoptaram os óculos de lentes passivas, muitos consumidores já não estavam interessados. O problema é que não era possível ver televisores 3D feitos para lentes de obturador ativo com lentes passivas e vice-versa.

Outro grande obstáculo aos televisores 3D era o facto de não se poderem comparar com a experiência 3D do grande ecrã. Os televisores 3D eram simplesmente demasiado pequenos para recriar eficazmente a ilusão, fazendo com que muitos espectadores se sentissem rapidamente desiludidos. Tendo em conta o custo de comprar um televisor 3D, óculos que funcionassem com ele, bem como leitores de Blu-Ray com capacidade 3D para ver filmes 3D, não valia a pena o investimento para um efeito tão inferior.

Entretanto clique aqui para seguir a Leak no Google Notícias e ficar a par de todas as informações mais importantes. Pode também subscrever aqui a nossa Newsletter e receber as notícias no seu e-mail.

mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Especiais

Subscreva a Newsletter Leak

Não perca nenhuma informação importante! Subscreva a newsletter Leak e receba todas as notícias, destaques e outras informações importantes no seu e-mail.