Qualcomm exige 31 milhões de dólares à Apple em nova guerra

Aparentemente esta guerra não vai terminar assim tão cedo. É que a Qualcomm alegou que a Apple violou três das suas patentes e está a pedir 31 milhões de dólares em danos. Isto dá cerca de um dólar e pouco por cada iPhone vendido que violou a patente.

A Apple e a Qualcomm estão de volta aos tribunais. Agora a Qualcomm exige 31 milhões!

Como já percebeu a Apple e a Qualcomm estão de volta aos tribunais em mais uma batalha. Lembramos que antes da Apple migrar para a Intel como fornecedor de modems, os chips da Qualcomm foram utilizados ​​em muitos iPhones da geração anterior.

31 milhões

A Qualcomm alega que, após os dois fabricantes se terem zangado, a Apple forneceu à Intel o código-fonte proprietário da Qualcomm para permitir que os modems da Intel “alcançassem” as mesmas caraterísticas dos chips da Qualcomm.

No entanto, as alegações não ficam por aqui.

As acusações de infração pertencem a três patentes: uma permite uma ligação rápida à rede quando se liga o smartphone; outra ajuda no processamento de gráficos e na economia de bateria. A terceira e última melhora os downloads. Isto é conseguido ao redirecionar de forma eficiente o tráfego entre o modem e o processador.

Conforme referimos, a Qualcomm estima o valor das três patentes em 1 dólar e pouco por iPhone. De acordo com Patrick Kennedy, economista e especialista contratado pela Qualcomm nesta mais recente disputa, este valor equivale a 31 milhões de dólares em indemnização, dado o número de iPhones supostamente infratores que foram vendidos.

Dado o tamanho e a dimensão da Apple, 31 milhões de dólares não parecem ser uma quantia particularmente grande de dinheiro. De facto pagar este valor não iria inflingir grandes danos à Apple. No entanto há algo que pode prejudicar. É que caso a Qualcomm ganhe poderá haver muitas limitações nas futuras vendas de iPhones.

No ano passado, já tinhamos noticiado que graças a processos semelhantes, a Qualcomm conseguiu garantir as proibições de vendas na China e na Alemanha para alguns modelos de iPhone, com base noutras violações de patentes.

A Apple, sem dúvida, que quer evitar isto a todo o custo.