Mighty Final Fight: os beat’em’ups de volta ao Spectrum

Dos dezoito jogos que entraram a concurso na ZX-Dev Conversions, Might Final Fight é talvez o mais sério concorrente a vencer a competição. As sondagens existentes o demonstram, sendo o mais popular dos candidatos. E merecidamente, como iremos ver.

Originalmente lançado no final da vida da NES, Mighty Final Fight foi a resposta da Capcom para converter um dos seus grandes sucessos das máquinas de jogos para a consola de 8 Bits da Nintendo, que resultou numa espécie de spin-off do jogo original, uma vez que seria impossível convertê-lo com a mesma qualidade para o sistema. Nesta nova versão o enredo ficou praticamente o mesmo, com a mudança da jogabilidade para dois botões de ação e com os gráficos redesenhados para ficar com um toque tipo cartoon. A versão do ZX Spectrum é então um demake da versão da Nintendo 8 Bits, mas com pequenas diferenças.

Por outro lado, Final Fight chegou a ser lançado para o Spectrum em 1991 pela U.S. Gold, mas mesmo tendo gráficos soberbos, muito fiéis ao original, a jogabilidade era sofrível e o jogo acabou por ser um flop.

O jogo desenrola-se ao longo de cinco níveis, apenas para um jogador. Mas logo no início é-nos dada a possibilidade de escolher três personagens diferentes, Cody, Guy e Haggar, cada um com características e estilos de luta (golpes) diferentes. O nível de experiência inicial de Haggar é de 3, sendo o personagem mais forte, mas em contrapartida o mais lento. Cody e Guy começam no nível 1, sendo Guy o mais rápido de todos, mas também o mais fraco, e Cody, o personagem que reúne um conjunto de características intermédias, entre força, rapidez e evolução de experiência.

Com três diferentes personagens, quer isso dizer que existem também três diferentes finais, aumentando a própria longevidade de Mighty Final Fight. E já agora a missão, embora pouco importante seja para o caso: a filha do presidente da Câmara foi raptada pelo temível líder do gang Mad Gears, cabendo a nós o papel de a resgatar, contra tudo e contra todos, ou seja, soco e pontapé a rodos.

O que temos então aqui é um gang beat’em’up puro, a fazer lembrar Target Renegade, Double Dragon e mais alguns que tão boas memórias nos trazem dos anos 80. Mas relativamente a esses, e também ao original, existe um aspeto que sobressai. Assim, consoante vamos derrubando os inimigos, enche-se uma barra de poder. Quando está mais cheia, permite que tenhamos acesso a golpes mais poderosos, mas quando esta fica menos cheia, por utilizarmos o super-golpe ou por sermos atingidos pelo adversário, voltamos a ter disponíveis apenas os golpes mais básicos, o que é uma forte contrariedade quando encontramos oponentes mais poderosos. Pelo meio vamos encontrando ratazanas ou barris, que se pontapeados nos concedem comida, aumentando a nossa energia.

Uma outra mudança relativamente à versão NES foi a redução dos dois botões do comando, para apenas um botão de ação. No começo temos a opção de entrar no modo tutorial para aprendermos os golpes. Deixando a tecla de ação premida, o personagem executa os golpes e, combinando com outras teclas ou com combinações pré-definidas, podemos executar alguns golpes mais poderosos, ou finalizações. Pode parecer, por vezes, que jogamos em modo piloto automático, já que ao premir a barra de espaços o boneco faz uma combinação de meia dúzia de murros de seguida. Após algum tempo já estaremos batidos no esquema.

O grafismo está também muito fiel ao original, apenas com a natural limitação de cores do Spectrum, mas que praticamente nem se nota face à magistral animação. O jogo contém mesmo pormenores deliciosos, como por exemplo quando defrontamos um chefe dentro de uma casa, onde é possível vislumbrar-se o trovejar no exterior e a projeção da luz dos relâmpagos no chão. Por outro lado, ao nível sonoro as melodias são do melhor que já foi feito para o Spectrum, com a inclusão de música e efeitos sonoros em simultâneo, e quem mesmo sendo básico, confere uma maior profundidade sonora à ação.

Mighty Final Fight é uma conversão fabulosa, mas apenas disponível apenas para 128K, e tendo a ROM mais de 360K, torna-se um jogo mais indicado para jogar em emulador do que na máquina real, a não ser que tenhamos um dispositivo físico de leitura de ROM’S para o Spectrum como o Dandanator (disponível na Retroshop.pt). Aliás, não é por acaso que este jogo irá sair muito em breve acoplado a esse sistema, pelo que se devem manter atentos às novidades. É que este é mesmo um jogo a não perder, e se conseguirmos optimizar a sua performance com um sistema adicional de memória, não devem pensar duas vezes.

Convida-se também a experimentá-lo, podendo aqui ser descarregado.

André Leãohttp://planetasinclair.blogspot.pt/
Tive o meu primeiro computador em 1985, um TC 2048, que me iniciou na informática. Apesar de no final dos anos 80 ter definitivamente passado para os 16 bits, o bichinho do Spectrum e clones sempre ficou, até aos dias de hoje. Atualmente coleciono tudo o que tenha a ver com o Spectrum e vou estando a par das novidades deste mercado, sendo fundador do blogue Planeta Sinclair.

Mais deste autor

1 COMENTÁRIO

Relacionadas

Publicidadespot_img

Últimos artigos

Galaxy S22: reveladas as novas cores e há uma surpresa!

A Samsung sabe que os olhos também comem e como tal aposta muito no design dos seus smartphones e inclusivamente nas cores. Ora o...

Placas gráficas novas em 2021? RTX 3080 Super já apareceu!

Na opinião de muitos especialistas, faz ZERO sentido lançar uma nova gama de placas gráficas, quando a atual continua tão rara e tão cara....

Windows 11: Microsoft acaba de deixar os utilizadores em pânico!

Há coisas que são difíceis de compreender. Como referimos outro dia na Leak, a Microsoft lançou uma nova versão do PC Health Check Tool....

Não perca nenhuma informação de última hora!

Registe-ne na Newsletter Leak e receba diariamente todas as informações no seu email!