Inicio Android Tudo sobre o novo motor de inteligência artificial da Qualcomm

Tudo sobre o novo motor de inteligência artificial da Qualcomm

A maioria das tarefas de Machine Learning (ML), como o reconhecimento de voz ou imagens, são em grande parte efetuadas na cloud. O smartphone envia dados para a nuvem e os mesmos são processados e enviados novamente para o dispositivo. No entanto existe uma tendência para que estas operações comecem a ser efetuadas localmente nos smartphones. Isto é aliás algo que a Huawei faz no seu Huawei Mate 10 Pro.

Para ajudar os programadores a aproveitarem ao máximo esta tecnologia, a Qualcomm lançou uma nova marca que vai estar apenas focada no machine learning.

O Qualcomm Artificial Intelligence (AI) Engine consiste em vários componentes de hardware e software que podem ser utilizados por quem desenvolve aplicações para disponibilizar experiências de utilização compatíveis com inteligência artificial, existindo ou não ligação à Internet.

Machine Learning: Duas fases distintas

O machine learning ou se preferirem a aprendizagem de máquina consiste em duas fases distintas: o treino e a inferência que é como quem diz a dedução.

Na fase de treino o algoritmo de Machine Learning (provavelmente uma Rede Neural) é alimentado por muitos exemplos (fotos, voz, entre outros), juntamente com a classificação correspondente.Quando o processo de treino chega ao fim, a Rede Neural é utilizada para classificar novos dados.

inteligência artificial da Qualcomm

Vamos a um exemplo prático. Imagine que apresentamos milhares de fotos de cães ao sistema de aprendizagem de máquina. O sistema vai recolher todas as fotografias e aprender com elas. Se mais tarde mostrar a imagem de um cão ao dispositivo em questão, mesmo que seja diferente de todas as outras que ele viu, ele irá reconhecer à mesma que se trata de um animal.

 

Esta etapa da inferência, da dedução ou da conclusão, funciona em quase qualquer tipo de unidade de processamento, incluindo CPUs, GPUs, DSPs e motores de inferência dedicados, como a Unidade Neural de Processamento (NPU) da Huawei ou o Processador de Aprendizagem de Máquina recentemente anunciado pela ARM. A principal diferença entre estas unidades de processamento é a rapidez com que eles podem realizar a inferência e a quantidade de energia utilizada para o fazerem.

O Qualcomm AI Engine dispensa as redes neurais de processamento e utiliza o CPU, GPU e DSP encontrados em alguns dos principais processadores Snapdragon (845, 835, 820 e 660). O componente-chave nestes processadores é a inclusão do Hexagon DSP com as  Hexagon Vector eXtensions (HVX).

inteligência artificial da Qualcomm

Do lado do software, o Qualcomm AI Engine disponibiliza três componentes:

  • Framework por software do Snapdragon Neural Processing Engine (NPE) – Uma biblioteca heterogénea de nível superior que suporta as estruturas Tensorflow, Caffe e Caffe2, além do formato de partilha Open Neural Network Exchange (ONNX). A ideia principal é que o NPE escolha o componente certo (CPU, GPU, DSP) para qualquer tarefa.
  • Android Oreo Neural Networks API – O suporte para as redes neurais do Android vai aparecer primeiro no Snapdragon 845.
  • Biblioteca da Rede Neural Hexagonal (NN) – Funciona exclusivamente com o Hexagon Vector Processor.

Muitos parceiros que utilizam os processadores da Qualcomm nos seus equipamentos já estão a utilizar as principais componentes do motor de inteligência artificial. Nesta lista incluem-se a  Xiaomi, OnePlus, Motorola, Asus e ZTE.

Ao nível das empresas que desenvolvem software, a Qualcomm está a trabalhar com diversos parceiros diferentes. Por exemplo, o SenseTime e o Face ++ oferecem uma grande variedade de redes neurais pré-treinadas para funcionalidades relacionadas com imagem e câmara, incluindo o modo bokeh com apenas uma câmara, desbloqueio de rosto e deteção de cenas. Já a Uncanny Vision, por outro lado, fornece modelos otimizados para deteção e reconhecimento de pessoas, veículos e placas.

Apesar do sistema de inteligência artificial da Qualcomm ser de facto funcional, muitos podem achar que se trata de branding e de uma forma de dar resposta ao projeto Trillium anunciado pela ARM na semana passada. Gosta da Leak? Contamos consigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir.

Quer receber notificações gratuitas no seu smartphone ou computador sempre que lançamos um novo artigo? Clique aqui.

Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Leia também

Gboard: preparado para uma grande atualização no design?

A Google tem estado a trabalhar num novo design do Gboard há dois meses. Agora parece que esta novidade já está a chegar aos...

OnePlus 8T: leak revela o que não esperávamos neste smartphone

O leaskter Steve Hemmerstoff e o blog Pricebaba estão de volta e com grandes revelações. Na prática, falamos das especificações do OnePlus 8T, bem...

Galaxy S20 FE: leak revela o hands-on e todas as especificações!

As imagens do primeiro hands-on para o Samsung Galaxy S20 FE acabam de chegar à Internet e dão um olhar mais detalhado sobre tudo...

iPhone 12 vs iPhone 11: Esta é a diferença na velocidade

iPhone 12 vs iPhone 11: Caso não saiba, apesar do infeliz adiamento do lançamento dos iPhone 12, a Apple decidiu revelar algums coisas acerca...

Já sabemos quais são os jogos da PS5 que chegarão à PS4!

Chegou finalmente o dia em que a Sony decidiu abrir os portões da informação e revelar quais os primeiros jogos a chegarem à PS5...