Inicio Especiais Google vai finalmente corrigir o pior defeito do Chrome

Google vai finalmente corrigir o pior defeito do Chrome

O Google Chrome é inegavelmente o browser mais popular do planeta, no entanto, também tem a fama de ser um autêntico ‘comilão’ de recursos, principalmente quando falamos da memória RAM, ou bateria no mundo dos portáteis. Dito isto, é um programa que merece a sua posição no mercado! Graças ao facto de ser extremamente versátil e poderoso, ao fim ao cabo, funciona em todas as plataformas do mercado, e claro, não nos podemos esquecer do facto de estar em constante evolução.



Google vai finalmente corrigir o pior defeito do Google Chrome

Google vai corrigir

Portanto, apesar da Google dominar o mundo dos navegadores de Internet, ficar parada à sombra da bananeira nunca é a resposta. Por isso, a gigante do software está agora pronta a atacar o cerne da questão, ou seja, aquilo que mais irrita os utilizadores do Chrome… O seu gasto de recursos! E pelos vistos, a maneira mais fácil de aumentar a eficiência do browser, é mesmo atacar os anúncios publicitários.

Dito tudo isto, a empresa disse na passada quinta feira que vai proteger os utilizadores de anúncios demasiado pesados. Agindo de forma bem curiosa… Como se fosse um problema recente. Ora leia:

“O Chrome é desenvolvido com a performance em mente, tem de ser rápido e responsivo, sem deteriorar a experiência dos utilizadores. Por isso, recentemente de acordo com as normas ‘Better Ads Standards’, tomámos algumas medidas para lidar com os anúncios que os utilizadores achem inaceitáveis. Além disso, também estamos a implementar várias proteções contra experiências abusivas.”

Assim, descobrimos recentemente que uma fração dos anúncios consomem uma quantidade desproporcional de recursos computacionais, como a bateria e dados de Internet, sem o utilizador saber o que está acontecer. Estes anúncios (como os que fazem mining de moedas virtuais, são mal programados, ou não são otimizados para o uso na Internet) podem consumir demasiada bateria, saturar redes de internet, e por isso, custar dinheiro.”

É muito interessante ver a Google a falar de ‘recentemente’, quando existem milhões de tutoriais na Internet para tentar com que o Chrome seja mais eficiente. Este não é um problema recente, seja devido a anúncios ou não.


Google vai finalmente corrigir o pior defeito do Chrome – Ademais, o que pensa sobre tudo isto? Partilhe connosco a sua opinião nos comentários em baixo. Gosta da Leak? Contamos consigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir.

Quer receber notificações gratuitas no seu smartphone ou computador sempre que lançamos um novo artigo? Clique aqui.

Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

mm
Nuno Miguel Oliveirahttps://www.facebook.com/theGeekDomz/
Desde muito novo que me interessei por computadores e tecnologia no geral, tive o meu primeiro PC aos 10 anos e aos 15 anos montei a minha primeira torre, desde aí nunca mais parei. Tudo o que seja tecnologia, estou na fila da frente para saber mais.

Leia também

Jogos PS Plus de Outubro? Veja estas opções!

Nos últimos dias, têm circulado na Internet uma série de rumores sobre quais poderão ser os jogos a fazer parte das tradicionais ofertas da...

O Android 12 vai ser mais ‘simpático’ para as outras lojas de apps

Historicamente, uma das grandes vantagens na utilização do SO da Google, sempre foi o facto de termos mais liberdade. Ou seja, é possível sair...

Na Europa desce e no Brasil sobe! Sony abusa no preço dos jogos?

Apesar de nos últimos tempos termos revelado imensas vezes que a Sony tem estado a disponibilizar grandes promoções nos seus jogos aqui em Portugal...

Ecrã de alta qualidade ou uma bateria de grandes dimensões?

O mundo dos smartphones tem um grande calcanhar de Aquiles, a bateria! Sim, é verdade que as baterias estão cada vez maiores e mais...

Nokia 9.3 PureView 5G: é desta que temos um topo de gama?

Já se falou tanto acerca de um possível topo de gama da Nokia que o assunto até já está meio gasto. Infelizmente nunca chegámos...