Cloudflare debaixo de fogo por causa de organizações terroristas

A Cloudflare está debaixo de fogo. É que foi novamente acusado de fornecer serviços relacionados com a internet a organizações terroristas. Isto não abona muito a favor desta empresa.

Esta organização que recebe mais tráfego do que o Twitter, a Amazon, a Apple, o Instagram, o Bing e a Wikipedia, disponibiliza serviços essenciais que protegem sites contra todos os tipos de ataques, principalmente DDoS.

A investigação de um jornal australiano concluiu que o Cloudflare fornece proteção a sete organizações terroristas

Ora, uma investigação do jornal HuffPost descobriu que o Cloudflare fornece proteção online a sete organizações terroristas. Elas incluem o Taleban, al-Shabab, a Frente Popular para a Libertação da Palestina, as Brigadas Al Quds, o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), a Brigada dos Mártires de al-Aqsa e o Hamas.

Entretanto, a Cloudflare recusa-se a admitir se estão ou não a proteger estes sites. Assim, cita “questões relacionadas com a privacidade”.

Mas a grande questão é que se de facto o Cloudflare está a fornecer serviços a estes sites terroristas, trata-se de algo muito ilegal. Ainda para mais, todas estas organizações estão incluídas nas listas de terrorismo do governo americano.

Entretanto, este serviço de proteção de sites e não só, já veio admitir ao site Cnet que está a verificar se um determinado cliente está numa lista de terroristas. Se estiver, o serviço será interrompido.

Se não conhece o Cloudflare, podemos dizer-lhe que é mais conhecido pelos seus serviços de distribuição de conteúdo e mitigação de ataques DDoS.

Não é a primeira fez que o Cloudflare está sob o olhar atento das autoridades

Esta não é a primeira fez que esta empresa está sob o olhar atento das entidades governamentais. Já em 2012 a agência Reuters questionou este serviço acerca de um possível alojamento de dois sites que tinham afiliações com o Hamas e as Brigadas al-Quds. No entanto, na altura, o CEO da Cloudflare, Mathew Prince, respondeu de forma contudente: “não estamos a enviar dinheiro nem a ajudar pessoas a obterem armas”.

Entretanto, esta abordagem ultra-liberal manteve-se. Especialmente quando foi novamente confrontado em 2013.  Desta vez pelo jornalista independente James Cook. Ele descobriu um site gerido pela Al Qaeda e protegido pelo Cloudflare.

A resposta desta empresa voltou a ser defensiva. “Um site é discurso. Não é uma bomba.

Mais tarde em 2015, o grupo Anonymous acusou a Cloudflare de servir “dezenas” de sites afiliados ao ISIS.

O que acham desta questão? Contem-nos tudo nos comentários.

mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Mais deste autor

Relacionadas

Publicidadespot_img

Últimos artigos

Nem os fãs de terror estão a aguentar este filme na Netflix!

A Netflix tem neste momento um monte de séries e filmes realmente brutais. Sendo que para dizer a verdade, os utilizadores estão realmente a...

NVIDIA decidiu aproveitar chips com defeito!

Nos últimos tempos, temos visto uma grande aposta no lançamento de placas RTX 3060 por parte da NVIDIA. Uma placa gráfica muito interessante, capaz...

Processador ‘limitado’? Sim! Mas o iPad mini 6 impressiona!

Muito provavelmente devido à crise de produção atual, a Apple foi obrigada a utilizar diferentes versões do SoC A15 Bionic, nas suas diferentes gamas...

Não perca nenhuma informação de última hora!

Registe-ne na Newsletter Leak e receba diariamente todas as informações no seu email!