Huawei já respondeu à birra do passaporte americano



Ontem ficámos a saber que o secretário de estado norte-americano, Mike Pompeo, referiu que os Estados Unidos vão impor sanções aos funcionários da Huawei. Para além disso, declarou também que vão colocar entraves à entrada no país. Eventualmente não será para todos, mas sim para os principais oficiais e também para altas patentes do corpo técnico. Agora numa resposta oficial, a Huawei expressou desagrado por este comportamento norte-americano que mais parece a birra do passaporte.

Huawei já respondeu à birra do passaporte americano

Logo à partida a Huawei referiu que é uma empresa privada. Depois afirmou que “restringir a entrada dos colaboradores no país que fazem enormes esforços para contribuir para as inovações tecnológicas nos Estados Unidos e em todo o mundo é uma acção injusta e arbitrária. Assim, a Huawei está desiludida”.

Huawei passaporte

Já há muito tempo que os Estados Unidos e mais concretamente a administração Trump não escondem a vontade de banir os produtos Huawei em todo o mundo, especialmente no que diz respeito às redes 5G. Aliás, o presidente norte-americano já revelou numa conferência que vai persuadir pessoalmente os aliados dos Estados Unidos a virarem costas à Huawei.

Este é um dos momentos mais complicados de sempre para a Huawei. De facto, a gigante chinesa está a desafiar tudo e ninguém sabe quanto conseguirá aguentar.

É verdade que os Estados Unidos são uma potência mundial e que a Huawei tem sofrido uma pressão enorme. Ainda assim, tem conseguido continuar a trabalhar e durante alguns meses até chegou a ultrapassar a Samsung. Por exemplo, quando os Estados Unidos fizeram o mesmo a outra empresa chinesa, a ZTE, eles tiveram mesmo de suspender as operações.

O que é certo é que a Huawei ainda não cedeu nem caiu como aconteceu com a ZTE. E é por isso que as ameaças e pressões americanas se têm intensificado. Afinal de contas, não param de surgir regras e regrinhas para deixar a gigante coreana sem nada. Primeiro, foi o bloqueio no acesso aos serviços da Google. Depois aos chipsets via TSMC. Agora são as restrições à entrada no país.



mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Em destaque

Leia também