Ecografias 4D e 5D: afinal existe um perigo escondido?


Por em

Foi em 2014 que a Leak esteve à conversa com Amadeo Blanquer, Director Geral da Ecox 4D, que na altura nos explicou detalhadamente as vantagens das denominadas ecografias emocionais. Nessa altura questionámos este responsável acerca da possibilidade de existirem perigos associados a esta tecnologia ao que resposta foi simples:

“Estas ecografias não têm qualquer risco quer para o bebé quer para a mamã. Ao longo dos últimos 35 anos não se encontraram evidências de que as ecografias prejudiquem os bebés em desenvolvimento ou que exista um efeito acumulativo por se fazerem múltiplas ecografias. Trata-se de uma técnica indolor, inócua e completamente segura tanto para a mãe como para o bebé”.

No entanto, segundo a Sociedade Portuguesa de Ecografia Médica (SPEM) isto pode não ser bem assim…

De facto, esta associação manifestou-se contra estas ecografias emocionais também conhecidas por 4D ou 5D. Na prática, consideram que expõem os fetos a tempos excessivos de exposição a ultrassons, que podem ter efeitos perigosos…

As ecografias 4D e 5D são realmente perigosas?

Uma coisa é verdade. Até agora ainda não foram detetados efeitos nocivos provenientes destas ecografias emocionais. No entanto, o instituto norte-americano de ultrassons alerta para que não se façam exames demasiado demorados.

Francisco Gaivão, presidente da SPEM, disse à agência Lusa que podem “promover o aquecimento exagerado dos tecidos e a cavitação, que é a formação de bolhas de gás dentro dos tecidos”. Ou seja não é algo com que alguém queira brincar…

Como a maioria das futuras mães sabem as ecografias morfológicas levam cerca de 30 minutos. A questão é que estas ecografias são em alguns casos muito mais longas e podem mesmo chegar a ter uma hora de duração.

ecografias emocionais

Entretanto, Francisco Gaivão refere também que estas ecografias não são realizadas por médicos, usam tecnologia 4D, em que não se vê o feto por dentro, mas apenas por fora, “que é o que a família quer ver”.

O problema pode estar na duração das ecografias 4D! 

Quando o feto ainda é muito pequeno e estamos a falar das primeiras semanas de desenvolvimento alguns pais têm vontade de ouvir de imediato o som do coração do seu bebé. Alguns médicos desaconselham-no devido a questões de aquecimento do feto. É mais ou menos o que se passa aqui. Claro que com muito mais semanas de idade existe mais resistência. Ainda assim, as ecografias não deverão ser feitas por períodos muito longos.

Existe legislação em Portugal?

Segundo o presidente da SPEM “a legislação é muito vaga nesta matéria, designadamente sobre quem faz estes exames e quem os pode fazer”.

Os caminhos possíveis

De acordo com a SPEM será importante uma certificação médica de quem realiza os exames e também uma certificação técnica dos equipamentos utilizados no eco-diagnóstico (…), devendo a certificação ser da responsabilidade da Entidade Reguladora da Saúde ou por sua delegação idónea”.

Mas também podem existir vantagens…

Apesar dos perigos referidos pela SPEM, as ecografias 4D e 5D podem ter uma vertente prática e muito importante. Isto dada a qualidade com que visualizamos o feto. Lembramos que no caso do “menino sem rosto” foi uma destas clinicas que detetou as mal formações no rosto e que infelizmente foram desconsideradas pelo médico que acompanhou a gravidez.

Fonte da imagem

Leia também

Ou veja mais notícias de Especiais, Featured

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.