Ecrã AMOLED vs LCD vs Retina vs Infinity Display. Qual o melhor?


Por em

O ecrã do nosso telemóvel é provavelmente um dos aspectos a que damos mais importância, até porque é por aqui que interagimos a maior parte do tempo com o nosso aparelho.

Um ecrã com pouca qualidade significa uma má experiência de utilização, mas como em tudo na tecnologia, é fácil reparar num ecrã fraco… no entanto já não é tão fácil distinguir entre um bom ecrã e um outro de maior qualidade.

Resumindo bem as coisas, existem dois tipos de ecrãs no mundo dos smartphones: LCD e LED.

Estas duas tecnologias base foram refinadas para nos dar os ecrãs AMOLED e IPS LCD.

  • AMOLED – Matrix de díodos orgânica activa emissora de Luz – Active Matrix Organic Light-Emitting Diode.
  • IPS LCD – Ecrã de cristais de líquidos com troca no lugar – In-Place Switching Liquid Crystal Display.

Isto não foi ignorado pelos departamentos de marketing, o que quer dizer que os termos AMOLED ou IPS LCD, não são os termos usados nas anúncios publicitários, em vez disso temos algo como Super AMOLED, Super LCD, Super Retina OLED, ou Infinity Display.

O que quer isto dizer ? Vamos tentar responder

AMOLED

A parte “LED” de AMOLED significa “Díodo emissor de luz” – Light Emitting Diode.

É a mesma tecnologia usada em vários electrodomésticos que mostra que está ligado com uma pequena luz vermelha. Um ecrã LED agarra neste conceito, torna-o muito pequeno, e organiza os LEDs em grupos de vermelho, verde e azul, para criar um pixel individual.

Já o O em AMOLED significa “orgânico”, uma referência a uma série de finos materiais orgânicos postos entre dois condutores em cada LED, materiais que produzem luz quando é aplicada uma corrente eléctrica.

Finalmente a parte “AM” em AMOLED significa “Matriz Activa”.

Numa matriz passiva, um sistema complexo é usado para controlar cada pixel individualmente, onde circuitos integrados controlam uma descarga eléctrica enviada em cada linha ou coluna, o que é um pouco lento e impreciso.

Um sistema de matriz activa tem um transistor muito fino (TFT) e uma capacitador para cada sub-pixel LED(vermelho, verde ou azul), a grande vantagem aqui é que cada linha e coluna é capaz de reter a carga eléctrica entre ciclos, permitindo um controlo mais rápido e preciso.

A imagem acima é uma imagem de um ecrã AMOLED presente no Samsung Galaxy S8, o padrão triangular RGB é facilmente identificável, como podem ver, na parte de baixo da imagem, os LEDS verdes e vermelhos estão desligados, enquanto que os azuis estão bastante fracos, esta é a grande razão para os pretos profundos e excelente contraste dos ecrãs AMOLED.

Os prós e Contras de um ecrã AMOLED

Prós:

  • Uma melhor absorção de choque, diminuindo o risco de quebra.
  • Excelentes ângulos de visualização.
  • Um vasto leque de cores.
  • Pretos profundos e um excelente contraste devido à capacidade de desligar certos píxeis.
  • Boa eficiência energética, melhorando o tempo de vida da bateria.

Contras:

  • Fabrico mais difícil e mais caro.
  • Os LEDs azuis degradam mais rapidamente que os vermelhos e os verdes, reduzindo o tempo de vida do ecrã.
  • Risco de “burn-in”, ou seja, que os píxeis degradem ao ponto de não conseguirem mostrar outra cor.

O que é um ecrã Super AMOLED ou Ecrã Infinito

O termo Super AMOLED é apenas marketing da Samsung, significa que é um ecrã que tem incorporado um ecrã touch capacitativo, em vez de ser uma camada separada em cima do ecrã.

O mesmo acontece com o termo “Ecrã Infinito”, que também é marketing da Samsung, que significa um ecrã “ponta-a-ponta”, no entanto continua a ser um ecrã Super AMOLED.

IPS LCD

Os ecrãs LCD funcionam com um backlight que envia luz para alguns filtros polarizados, matriz de cristal e alguns filtros de cor.

Os cristais líquidos destorcem quando uma descarga eléctrica é aplicada, que afecta a frequência com que a luz passa.

Uma matriz de circuitos integrados é usada para controlar cada pixel, enviando descargas eléctricas para uma linha ou coluna específica.

As cores são criadas pelo uso de filtros vermelhos, verdes e azuis, conhecidos como sub píxeis, que são misturados para produzir as mais variadas cores.

A imagem acima é de um ecrã LCD de um Huawei Mate 8, vejam como os píxeis são feitos de sub-píxeis do mesmo tamanho, um para cada cor – Vermelho, Verde e Azul.

Prós e Contras do LCD

Prós:

  • Uma excelente reprodução de cor.
  • Não existe risco de “burn-in” permanente.
  • Técnicas de fabrico bem estabelecida, ou seja, fáceis e baratos de fabricar.

Contras:

  • Os ângulos de visualização podem ser limitados devido à profundidade das camadas.
  • Contraste e profundidade dos pretos não é perfeita, devido ao backlight sempre ligado.
  • Em ecrãs mais baratos é possível existir um vazamento da luz de fundo.
  • Os píxeis podem sofrer de uma abertura mais baixa em resolução altas, visto que os transistores não podem ser ser encolhidos, reduzindo o brilho e desperdiçando energia.

O que é um ecrã Super LCD?

Como no Super AMOLED, um ecrã Super LCD também incorpora o touchscreen, não existindo qualquer espaço livre entre o vidro e o ecrã, o que faz com que esta tecnologia tenha alguns benefícios similares ao Super AMOLED.

Ecrãs Retina, Retina HD e Super Retina HD

A Samsung não é a única empresa que gosta de brincar ao marketing, a Apple também usa e abusa do termo “Retina” para falar dos seus ecrãs.

Termo que foi introduzido no lançamento do iPhone 4, que ofereceu uma maior densidade de píxeis em comparação com o iPhone 3GS, depois chegou o termo Retina HD, que foi aplicado em iPhones com pelo menos a resolução de 720p.

Todos os ecrãs Retina e Retina HD nos iPhone são LCD IPS, no entanto as coisas mudaram bastante com o iPhone X, visto que usa um ecrã AMOLED, agora vendido com o nome de Super Retina HD.

Apesar do MacBook Pro ser vendido como tendo um ecrã “Retina”, como podem ver na imagem, é um ecrã LCD normal.

A precisão de cor e resolução de ecrã

Ambas as tecnologias podem ser usadas para construir ecrãs 720p, 1080p, Quad HD e 4K.

Os fabricantes conseguem fazer dispositivos que suportam HDR10 usando tanto a tecnologia LCD como a AMOLED, por isso deste ponto de vista, a diferença não é assim tanta.

Mas quando falamos de cor, sabemos que os pretos vão ser mais profundos e o contraste mais alto num ecrã AMOLED, no entanto a precisão de cor é boa nos dois.

Num teste que incluí o Sony Xperia Z5 Premium, o LG V10, o BlackBerry Priv e o Galaxy Note 5, podemos ver que os ecrãs baseados em tecnologia AMOLED tiverem resultados muito precisos.

Enquanto que os ecrãs LCD não conseguiram obter os mesmo resultados, mostrando uma cor azulada, o que não é surpreendente visto que os ecrãs LCD são baseados num backlight com luz azul filtrada.

Telemóveis AMOLED LCD Retina Infinity Display
LCD: Xperia Z5 Premium, LG V10 | AMOLED: BlackBerry Priv, Note 5

O Xperia Z5 Premium e o LG V10 mostram uma cor azulada nos brancos em comparação com o BlackBerry Priv e Note 5.

No entanto, em testes semelhantes em modelos mais recentes, dá para perceber que os ecrãs AMOLED já não estão tão à frente como antigamente.

Telemóveis AMOLED LCD Retina Infinity Display

OLED: Galaxy Note 8, Pixel XL, OnePlus 5, Galaxy S8/S8 Plus | LCD: Huawei Mate 9, iPhone 7 Plus

Burn-in e retenção de imagem

Uma das maiores fraquezas dos ecrãs AMOLED é a possibilidade de “burn-in”, que é um nome dado a um problema em que um ecrã sofre de descoloração permanente em algumas partes do painel.

Pode ser umas linhas de texto, ou um esboço de uma imagem, basicamente uma imagem fantasma que nunca mais irá sair do ecrã. O que é causado pelos tempos de vida diferentes de cada sub-pixel LED nos paíneis OLED.

Mas é preciso ter calma que o tempo de vida de um painel AMOLED é de vários anos, mesmo quando usado 12 horas por dia

Os donos de um aparelho com ecrã LCD podem sentir-se bem por escolherem um smartphone imune a burn-in, mas também podem ter problemas com “retenção de imagem“.

Fenómeno que consiste numa tendência para os criais líquidos ficarem presos numa posição quando recebem a mesma voltagem durante muito tempo.

Felizmente este problema é apenas temporário, e normalmente pode ser revertido ao permitir que os cristais líquidos voltem ao seu estado de repouso.

Conclusão

Escolher um vencedor é muito difícil com tantos factores a considerar, não apenas acerca das tecnologias de ecrã mas tendo também em conta os restantes componentes de um telemóvel.

Por exemplo:

  • Se é fã de ecrãs AMOLED, irá considerar um aparelho com bastante espaço de armazenamento e um bom processador mas com um ecrã LCD ?

Argumentos que podem ser usados no sentido oposto para os fãs de ecrãs LCD.

Geralmente, vai ficar bem servido com qualquer tipo de ecrã, por isso apenas escolha o aparelho com que mais se identifica.

Telemóveis topo de gama normalmente usa ecrãs AMOLED, enquanto que modelos média-gama ou mais baratos usam LCD. Mas isto não é uma lei, existem muitos modelos topo de gama que usam a tecnologia LCD.

No entanto com a o fabrico de painéis OLED a ser cada vez mais eficiente e barato, é possível que a tendência mude.

Empresas como a LG e a Samsung perceberam isto e estão a expandir rapidamente a sua produção OLED.

A tecnologia LCD continua a ter um futuro brilhantes no mercado de TVs e outras aplicações que usem painéis grandes, mas por agora parece que o mercado mobile está a ser cada vez mais dominado por ecrãs OLED.

Fonte

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.
Anterior

App Contraceptiva culpada por 37 mulheres grávidas ?

vivo X20 Plus UD: Preparados para dia 24 de Janeiro?

Seguinte