Samsung dominou na Europa… Mas a Xiaomi já espreita!

smartphones

A Samsung conquistou e dominou o mercado Europeu no segundo trimestre de 2019. Conseguindo tirar partido dos problemas que a Huawei enfrentou com a proibição imposta por Donald Trump, mas também devido ao facto de ter apostado mais na sua gama média, que é sem dúvida o mercado mais lucrativo do segmento.

Além disto, a Apple parece estar em queda, enquanto a Xiaomi (+10% de quota de mercado) começa a figurar-se uma ameaça séria ao domínio das velhas gigantes!

smartphone mi9 t, xiaomi



Portanto, segundo a firma de estudos de mercado ‘Canalys’, o mercado Europeu tremeu com algumas mudanças na estratégia da Samsung. Que conseguiu alcançar os 40% de quota de mercado, pela primeira vez nos últimos 5 anos.

Assim, a aposta na linha Galaxy A parece ter sido a decisão certa. Que afinal de contas, equivalem a 2 terços dos 18.3 milhões de smartphones enviados para as lojas. Aliás, estes dois terços, equivalem a mais smartphones, que o total de qualquer outra rival da Samsung.

As grandes derrotadas foram a Apple e a Huawei

A primeira apenas conseguiu vender 6.4 milhões de iPhones, o que equivale a uma queda de 18%. Já a segunda, também viu uma quebra significativa, devido à guerra comercial entre a China e os Estados Unidos.

Ainda assim, a Huawei contínua à frente da Apple, o que no fundo mostra toda a força que a marca conseguiu com os últimos anos de lançamentos, ao vender cerca de 8.5 milhões de smartphones.

A Xiaomi começa a ser uma ameaça no mercado Europeu

De forma bastante curiosa, a Xiaomi cresceu quase 50% em comparação com o mesmo período do ano passado. O que claro está, se deve ao facto de antigamente as fornecedoras de rede móvel não darem grande importância à marca, visto que as margens de lucro eram demasiado baixas.

Mas agora, em boa verdade, são quase que obrigadas a apostar na marca. Graças à sua cada vez maior popularidade, e preços sem rival.


Ademais, o que pensa sobre tudo isto? Partilhe connosco a sua opinião, nos comentários em baixo.

Fonte