Review Sony Xperia X: trunfo de ambição, mas a que preço?

Assim do nada, e com os fantásticos Z5 há escassos meses no mercado, a Sony decidiu renovar o seu alinhamento. E há que o dizer: com o Xperia X, Xperia X Performance, Xperia XA e XA Ultra, a nova gama é uma forte aposta em diversos segmentos em paralelo.

Mas onde se encaixa então o Xperia X e qual é o seu lugar neste mercado sobrelotado?

As principais características

A nova gaveta para microSD e nanoSIM é muito mais fácil de utilizar.
A nova gaveta para microSD e nanoSIM é muito mais fácil de utilizar.

O Sony Xperia X é um smartphone de gama-média alta com ecrã de 5 polegadas FHD, motorizado por um Qualcomm Snapdragon 650 com Adreno 510 GPU e 3GB de RAM. O armazenamento interno é de 32GB expansíveis por cartão microSD. O Snapdragon 650 significa que além dos quatro núcleos Cortex-A53, temos 2 núcleos novos Cortex-A72 a 1,8GHz, que deverão ser capazes de aguentar cargas mais pesadas.

Grande destaque vai para a combinação de câmaras, com uma potente câmara de 21MP com autofoco híbrido e 13MP à frente. De notar que nenhuma das câmaras filma em 4K, o que costuma ser uma imagem de marca da Sony.

Há depois características menos óbvias, como a bateria Qnovo de que falaremos adiante, ou a porta microUSB MHL, para espelhar o ecrã do smartphone na televisão através de HDMI.

  • Ecrã: 5 polegadas FHD, com tecnologia Triluminos
  • Processador: hexa-core Qualcomm Snapdragon 650 com GPU Adreno 510
  • Memória: 3GB RAM, 32GB armazenamento interno
  • Câmaras: 21MP e 13MP

Desenho e Construção

O Xperia X simplifica o desenho do Xperia Z5 e mantém elementos como o botão com leitor de impressões digitais.
O Xperia X simplifica o desenho do Xperia Z5 e mantém elementos como o botão com leitor de impressões digitais.

A substituição da linha Z pela linha X faz-se de pormenores. À primeira vista, a essência estilística que o original Z lançou em 2013 continua presente, com ângulos rectos e um perfil excepcionalmente fino.

A pouca espessura da gama Z sempre foi muito apreciada, quase tanto quanto o aquecimento excessivo foi criticado, e o Xperia X não deve mudar isso.

Contudo, o design mudou muito e para melhor. A Sony literalmente limou as arestas do dispositivo: os rebordos das laterais monobloco são mais arredondados e encaixam suavemente na traseira de metal. Esta perde o perfil eminentemente plano do Z5, e adopta uma ligeira curvatura nas margens

Vale o mesmo para o ecrã 2.5D de margens muito modestas, embora topo e base continuem algo expressivos.

Os restantes elementos estão essencialmente no mesmo local que no Z5, com o botão principal a manter o sensor de impressões digitais.

A grande omissão passa pela ausência de selagem contra água, uma espécie de dogma da Sony. A construção, com ténues intervalos entre os componentes, não deixa adivinhar grande capacidade de sobrevivência em caso de queda à água.

Experiência de utilização

A renovação do design, ligeira que pareça à primeira vista, teve um impacto imediato na ergonomia. O Xperia X é uma delícia de ter na mão, sem arestas ou recantos incómodos para os dedos, enquanto a superfície matizada da traseira ajuda à aderência do toque.

O Xperia X é, por isso, mais confortável que o Z5 e mesmo mais que o suave Xperia M5. E é igualmente prático, agora que a Sony redesenhou definitivamente a ranhura do cartão nanoSIM e o mecanismo de extracção.

A câmara do Xperia X é extremamente potente no papel, mas a app desilude.
A câmara do Xperia X é extremamente potente no papel, mas a app desilude.

O software é típico para um Xperia, com uma panóplia apreciável de apps próprias da marca. Quem tiver as suas favoritas pode chamar-lhes bloatware, mas na verdade são bastante completas e habituamo-nos depressa à sua utilização.

O Android Marshmallow em si é bastante leve e sem exageros, enquanto apps como a app de vídeo foram simplificadas, mas esta última mantém o fundamental suporte de legendas.

Um pormenor que muito irritou o autor ao longo de toda a experiência foi a facilidade com que o dispositivo se desbloqueava no bolso devido ao duplo toque para acordar.

A implementação não deveria ser tão liberal, porque mesmo com o bloqueio por impressão digital, o potencial estava lá para inúmeras peripécias. Isto porque a presença do sensor na lateral torna muito fácil desbloquear o dispositivo ao o colocar no bolso.

Fundamentalmente, o Sony Xperia X responde bem às solicitações e apresenta excelente performance. Na verdade, surpreendeu bastante pela positiva, porque não dávamos tanto crédito ao Snapdragon 650 no seu interior. Dificilmente perceberemos estar perante um gama média, com a maioria das apps a correrem bem, e em simultâneo.

Não só o dispositivo não acusa a carga, como resiste com muito mérito a World Of Tanks com os gráficos no máximo, superando em fluidez smartphones teoricamente mais potentes. O carregamento pode ser algo lento, provando que a Adreno 510 não é uma GPU de topo, mas a jogabilidade fará o nosso investimento parecer muito bem aplicado.

As coisas vão aquecer com World of Tanks no máximo, mas o Xperia X parece aguentar bem.
As coisas vão aquecer com World of Tanks no máximo, mas o Xperia X parece aguentar bem.

O reverso da moeda é um claro aquecimento da carenagem externa, algo que já não nos surpreendemos num Xperia. Em sua defesa, não o testámos em dias frescos. Em qualquer caso, mesmo com aquecimento, conseguimos manter as prestações bastante boas durante o tempo de carga, o que significará que o Xperia mantém as temperaturas mais altas relativamente bem controladas, sem travar a aceleração do Snapdragon.

A impressão que nos deixa o Xperia X neste capítulo é que tem alguma vantagem face ao Xperia M5, e deverá ser indistinto do Xperia Z5 em utilização quotidiana, um louvor ao Snapdragon 650.

O ecrã é igualmente excelente. O truque está no motor X-Reality, que impulsiona os detalhes em imagens e acentua os contrastes, para uma experiência semelhante a um OLED, mas igualmente na tecnologia Quantum Dot. Esta tecnologia que recorre a minúsculos nanocristais verdes e vermelhos que são alimentados por LED azuis. A solução cria cores e contrastes mais fortes, com mais brilho apesar de menor gasto energético.

Portanto, talvez nos cause alguma surpresa quando transferirmos imagens da câmara para um computador sem este tipo de ajuste de ecrã. No ecrã do Xperia, tudo é simplesmente mais interessante.

Áudio

Como vem sendo apanágio dos melhores Sony, o Sony Xperia X possui áudio estéreo em alta-voz, graças a dois altifalantes em ambas as extremidades do ecrã.

O som é bastante bom, mas sem o coice que vimos no Huawei P9 Plus. No entanto comporta-se muito bem quando o volume aumenta e não se deixa abafar durante visualizações em modo paisagem.

A tecnologia Sony DSEE HX está a bordo. A Sony é a rainha dos algoritmos e estes são usados para incrementar a qualidade de ficheiros de música comprimidos. Quando ligada, a opção dá um boost impressionante à música, isolando e incrementando os diversos instrumentos e fortalecendo os baixos.

Só há uma razão para não termos a opção ligada e é se decidirmos recorrer a mp3 ranhosos. Vá: álbuns com produção rasca. É que as imperfeições vão saltar ao ouvido.

Finalmente, há que mencionar que se tivermos auriculares compatíveis, o Sony Xperia X permite a activação de cancelamento de ruído, para uma das mais completas ofertas do mercado, em termos de som.

Do lado da telefonia não há nada a apontar. É um Xperia.

Bateria

A bateria do Sony Xperia X é de 2620mAh, precisamente a mesma amperagem do Xperia M5 e, em teoria, terá a mesma duração. No entanto, as semelhanças são só no papel.

Para o Sony Xperia X, a Sony adoptou a bateria da Qnovo compatível com Quick Charge 2.0, mas cujo destaque vai para os algoritmos de carregamento que permitem reduzir a usura da bateria quando é carregada até ao final. Em consequência, é expectável que a bateria sofra muito menos desgaste e sobreviva várias centenas de ciclos extras, sem deterioração apreciável da sua capacidade.

Não temos como o testar actualmente, mas a cumprirem-se as promessas, isto significa que o grande medo de muitos utilizadores de uma bateria castrada, não se realizará.

Portanto, nada a apontar no caso da bateria. Não corremos testes nem benchmarks, mas se há coisa que os nossos smartphones podem dizer é que são puxados ao extremo, com navegação de dados, Microsoft Office, Outlook, navegação online, música, e o ocasional jogo. E não jogamos nada que não implique a aniquilação de nações inteiras no plano geoestratégico mundial, por isso…

Bom, sentimos que a bateria do Sony Xperia X se comporta muito bem, ligeiramente melhor que a do Xperia M5, mas sem nos deixar à vontade para um dia inteiro de utilização. A melhoria é bastante se ligarmos o modo Stamina, que desativa algumas funções menos cruciais e mais drenantes para a bateria, como o GPS, mas mantém a maioria das funcionalidades.

Sem ser impressionante, a bateria do Sony Xperia X é bastante boa para um smartphone com este tipo de potência.

Câmara

A câmara do Sony Xperia X é, nada surpreendentemente, extraordinária, com soberba capacidade de captação de detalhes.

A app continua, no entanto, extremamente limitada e não nos dá real controlo. A novidade apresenta-se sob a forma de sliders que permitem ajustar a exposição e a temperatura de cor após captado o foco. Em nosso ver, ainda não é suficiente.

A câmara do Xperia X é excepcional, mas com pouco controlo exige demasiado para se dela extrair o melhor.
A câmara do Xperia X é excepcional, mas com pouco controlo exige demasiado para se dela extrair o melhor.

Como demos conta na nossa análise prévia à câmara, alguns algoritmos de tratamento de imagem ainda não estavam terminados no nosso exemplar de pré-produção, mas os dispositivos de série deverão ter tudo solucionado.

Um bug também activou em algumas vezes o aviso de aquecimento excessivo na câmara. Na opinião do autor, o problema prendia-se com a nossa unidade e a nível de software. Baseados a opinião em diversos factos:

Por um lado, o aquecimento nunca gerou avisos noutras apps, mesmo durante carga elevada com jogos.

Por outro, quando os pixéis aquecem em demasia, a qualidade da imagem deteriora-se, com maior tendência para os pixéis adjacentes se contaminarem e o ruído da imagem aumentar. Por mais que tentássemos, não vislumbramos quebra na qualidade da imagem após o aviso.

O recurso ao CPUZ mostrou sempre temperaturas razoáveis no momento do aviso, em linha com outros dispositivos em situações idênticas.

Portanto será apenas um software demasiado conservador sem real sobreaquecimento, mas se os nossos leitores encontrarem um problema idêntico, gostaríamos de saber.

[carousel ids=”36603,36602,36601,36600,36599″]

Conclusão

O Sony Xperia X é um smartphone imponente e bastante confortável. Temos que dizer que à medida que a Sony evolui o seu design a conta-gotas, mais gostamos dele e do modo como assenta na mão. Acima de tudo, o Sony Xperia X nunca nos deixou ficar mal e mostrou-se capaz de aguentar tudo o que lhe atiramos, menos o sol durante o pico no calor.

No entanto, quanto mais o Sony Xperia X nos apaixonava, mais nos incomodava algo: o preço.

O Sony Xperia X chegou a Portugal com um preço indicativo de €629 e, entretanto, já desceu para algo menos de €600, mas o mais normal é que o encontremos acima dessa barreira. É – a nosso ver – um preço pouco competitivo para este segmento de gama-média, que o coloca num preço (mas não em prestações) equivalente a um verdadeiro a topo de gama. Não nos parece um preço competitivo.

Mas, debaixo do capô, há algumas coisas que colocam este valor em perspectiva e mostram um smartphone com algumas tecnologias interessantes. Há a tecnologia Triluminos/Quantum Dot, a bateria Qnovo, e a porta USB MHL. São tecnologias que fazem do Xperia X uma evolução bastante interessante face ao Xperia M5, mas umas serão atraentes para quem pensa a longo prazo, outras requerem públicos específicos para o apreciar.

Muitos utilizadores poderão simplesmente preferir a protecção contra a água do Xperia M5, e o valor muito mais modesto que terão de gastar. E é muito difícil não olharmos para o Xperia Z5 e pensarmos que tem um preço muito atraente por comparação, tornando difícil a gama X realmente suplantar a gama Z. Não temos dúvidas que o Sony Xperia X é um smartphone soberbo, e servirá com distinção os utilizadores mais exigentes, mas o preço precisa mesmo de baixar.

O Sony Xperia X face à concorrência

  • Sony Xperia Z5. O anterior flagship da Sony é talvez o dispositivo mais perigoso para o Sony Xperia X. Ambos partilham características praticamente idênticas, com o Xperia X a apresentar uma melhor gráfica, mas um processador menos potente. A câmara frontal também é melhor no Xperia X, mas em compensação o Z5 está protegido contra água e poeira.
  • Sony Xperia M5. A Sony continua a ser a maior ameaça a si própria. O Xperia M5, que testamos muito recentemente, apresenta características fundamentalmente idênticas ao Xperia X e quase poderíamos dizer que este último é uma evolução do primeiro. O M5 traz a sempre impressionante protecção contra água e poeira, mas a construção em metal do Xperia X poderá apelar a alguns.
  • Huawei P9. Na nossa opinião um adversário imbatível na relação qualidade-preço, o Huawei P9 consegue estar na mesma gama de preço do Xperia X, oferecendo características teoricamente superiores, com uma construção soberba em metal, e duas câmaras Leica excepcionais. É neste tipo de relação entre qualidade e preço que a Sony tem de por os olhos para realmente competir.
  • Samsung Galaxy S7. Um verdadeiro flagship, o Samsung Galaxy é bastante mais caro que o Sony Xperia X e compete mais directamente com o Xperia X Performance, mas nestas coisas do consumo, muitos poderão estar dispostos a pagar extra pelo processador, RAM e ecrã de maior resolução.
  • LG V10. Um dos nossos smartphones favoritos, o LG V10 reúne um design inconfundível, a características ímpares no campo da resistência e durabilidade. O ecrã é maior, claro, e isso poderá ser um ponto contra para quem gosta de ecrãs contidos, mas usa o processador Snapdragon 808 que podemos considerar o pai do 650, e está actualmente a um preço muito semelhante.
Gosta da Leak? Contamos consigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir. Obrigado!

Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

Leia também

Deixe um comentário