Enquanto o mercado dos tablets tem assistido a um lento, mas inexorável declínio, à medida que os smartphones ganham em capacidade e polivalência, os tablets continuam insubstituíveis para quem necessita efetivamente de um ecrã maior, para leitura ou trabalho, particularmente se o ecrã for de boa qualidade. É aqui que entra o LG GPad II 10.1, um tablet premium que alia um ecrã de qualidade apreciável, a uma bateria com bastante durabilidade e conectividade.

LG Gpad II 10.1: as características chave

Não há muito por onde contornar esta questão: o ecrã é um elemento fundamental e decisivo num tablet e o LG G Pad II 10.1 oferece-nos um ecrã IPS LCD com resolução de 1920×1200.

Debaixo do capô, o processador Qualcomm Snapdragon 800 a 2,26GHz indicia uma prestação muito meritória, graças a 2GB de RAM, e ainda temos 16 GB de armazenamento base. Uma entrada micro-SD permite uma expansão deste armazenamento até um limite teórico de 2TB, ainda que actualmente não possamos encontrar cartões no mercado com este tipo de capacidade.

Nada de especial acontece no departamento das câmaras, com a principal a trazer-nos discretos 5MP, mas arriscamos dizer que a última coisa que passou pela cabeça da LG foram aventuras fotográficas de tablet na mão. A resolução deverá ser mais do que suficiente para as necessidades quotidianas.

Do lado da conectividade, o LG G Pad II 10.1 é um de poucos tablets com tecnologia LTE e isto oferece ao utilizador uma colossal vantagem de mobilidade face a outros dispositivos.

O tablet tem ainda altifalantes estéreo, mas sem dúvida que um grande destaque deverá ir para a bateria de 7400mAh, valor que nos deixa bastante optimistas quanto à durabilidade de cada carga.

Outro grande destaque vai direitinho para a conectividade 4G LTE que nos permitirá aceder à internet em qualquer local com um cartão SIM.

  • Processamento Qualcomm Snapdragon 800 com 2GB de RAM
  • Gráfica Adreno 330
  • Armazenamento de 16GB expansível até 2TB
  • Tecnologia 4G LTE, Wi-Fi, Wi-Fi Direct e Bluetooth;
  • Câmaras de 5Mp/2MP
  • Bateira de 7400mAh
  • Android Lollipop

Design e exterior

O LG G Pad II 10.1 é um tablet bastante atraente, embora padeça das usuais laterais largas que esperamos na esmagadora maioria dos tablets. O design concentra os cartões micro-SD e micro-SIM atrás de uma patilha no topo que também inclui botões de activação e volume, com o jack 3,5mm e a porta USB do lado esquerdo. Os altifalantes estéreos estão localizados em ambas as laterais.

O acabamento externo apresenta uma traseira em plástico que facilmente tomamos por metal, graças ao acabamento que imita metal escovado. De um modo geral os acabamentos externos são bastante bons e o LG G Pad II 10.1 parece possuir solidez razoável, sem ceder facilmente a pequenas pressões. O ligeiro acetinado da superfície do nosso exemplo bordeaux apenas acrescenta um toque ainda maior de elegância a um desenho já bastante desportivo.

O resultado – ainda que o autor prefira os tablets de metal – é um dispositivo com uma apreciável relação entre robustez e peso, o que num tablet de 10 polegadas é sempre positivo.

Software

Sem pensarmos muito, a LG tem das interfaces mais leves e puristas no mercado. No entanto tem características avançadas como uma boa implementação das janelas duplas.

O bloatware é francamente nulo, mas o dispositivo já traz o Office pré-instalado, mais um pormenor útil para quem, como o autor, recorre à suite da Microsoft.

Temos ainda de destacar as apps de notas da LG que fazem um excelente trabalho a reconhecer rabisco feitos com a ponta do dedo e são, por isso, úteis quando estar a teclar é excessivo. Também temos a bordo a implementação de dois toques para acordar o dispositivo, pelo que o LG G Pad II 10.1 é fundamentalmente um smartphone LG com um ecrã significativamente maior, claro.

Experiência de utilização

Com uma interface leve, o LG G Pad II 10.1 literalmente voa pelas instruções que damos e responde deliciosamente, com animações rápidas e fluídas. Não podíamos, neste aspecto, estar mais agradados.

Com o modo janela dupla, o LG G Pad II 10.1 permite-nos trabalhar com email e documentos lado a lado, ou o Chrome, para uma produtividade muito facilitada. A situação é, obviamente, de grande utilidade para qualquer profissional que precisa ter documentos lado a lado e não tem essa possibilidade em muitos outros dispositivos. Não é algo que o vendedor nos vá dizer muitas vezes na loja, mas fica a nota.

A nitidez do ecrã é muito meritória e, para quem tem o hábito de ler no grande ecrã, a qualidade de imagem é muito positiva, principalmente no modo leitor. As cores e os contrastes são bastante agradáveis e intensos, com cores vivas, e excelente luminosidade que está, no entanto, aquém do melhor possível para uma leitura no exterior. É, de qualquer modo, um problema ao qual poucos tablets se conseguem furtar.

Em defesa deste excelente ecrã, diremos ainda que a sensibilidade ao toque é praticamente infalível, criando uma experiência de escrita suave a agradável.

Do lado do entretenimento, isto significa que podemos ver filmes com boa resolução e utilizar o dispositivo com muito mérito durante uma viagem ou saída para nos manter agarrados a alguma história épica. Mas do lado dos jogos as coisas também não são más.

Afinal, entre o Snapdragon 800 e a Adreno 330, temos praticamente o equivalente a um smartphone de topo de 2014, o que se traduz numa jogabilidade mais do que cativante em jogos como Real Racing 3, World of Tanks ou N.O.V.A.

A vantagem principal nesta performance é a disponibilidade do tablet ao longo do dia, graças à generosa bateria de 7400mAh. Mesmo quando puxamos por ele com jogos, conseguimos manter-nos à tona várias horas. Parte do segredo será talvez aquela experiência hoje em dia tão rara em dispositivos de alta performance, a de um equipamento que não começa a ferver após alguma acção.

Algo que ficou fora desta análise foram as câmaras. A verdade é que usamos tablets há diversos anos e talvez tenhamos tirado umas cinco fotografias com câmaras de tablet durante todo este tempo. Encaramos os tablets de um modo que não contempla sequer a necessidade a bordo de uma câmara.

Conclusão

O LG G Pad II foi um daqueles casos em que, mal abrimos a caixa, percebemos que o dispositivo tinha aspirações. Mesmo sem metal, a construção em plástico é de qualidade e o design muito interessante

Quando a performance é chamada a falar por si própria, temos um sistema afinado que se torna uma delícia utilizar. Não haverá muitos tablets no mercado com esta fluidez de operação, ou a este preço, e o LG G Pad II 10.1 afirma-se como uma máquina polivalente para praticamente todos os tipos de utilizações. Inclusivamente, é incontornável ser um dispositivo que se presta a andar connosco para todo o lado graças à tecnologia LTE, por isso não é apenas bom, é igualmente útil.

Obviamente acabamos por pagar um certo preço por todas estas funcionalidades, e o LG G Pad II 10.1 custa ainda hoje cerca de 400€, um preço que poderia ser mais atraente, mas que vale toda a pena para quem necessita de manter a ligação à internet em qualquer lado.

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.