O que é realmente a “Web 2.0” ?

A “Web 2.0” é um termo referente á tecnologia atual que foi inventada no ano de 2004. O apelido nasceu numa conferência da O’Reilly Media. A “Web 1.0 original” de 1989 era apenas uma coleção maciça de documentos e informações eletrónicas estáticas. Mas, desde 2003, a Web evoluiu para um grande fornecedor de software com possibilidade de acesso remoto a todos os ficheiros. Em suma: a Web 2.0 é a Web interativa.

A Web 2.0 oferece muitas opções de software interativo, muitas das quais se tornaram nomes familiares. Aqui estão alguns exemplos da Web 2.0:

  • Email gratuito na web
  • Banca online
  • Ferramantas de gestão de projectos
  • Processamento de texto
  • Mercado Livre (olx,amazon,aliexpress…)
  • Fotografias digitais
  • Feed de noticias 
  • Rádio online
  • Alojamento de Videos
  • Rastreamento de carros por GPS
  • Mecanismos de segurança doméstica  
  • Encontros e relacionamentos
  • Psicologia e aconselhamento médico
  • Pesquisa de emprego  
  • etc…

Todos estes serviços e muito mais agora estão disponíveis on-line através da web. Alguns destes serviços são gratuitos (promovidos por publicidade), enquanto outros cobram taxas de inscrição variando desde um euro a várias centenas de euros.

Como a Web 1.0 começou

Originalmente, a “Web 1.0” começou em 1989 como um meio de transmissão para documentos acadêmicos gráficos, e rapidamente divergiu a partir daí. A Web ficou estupefacta com um fórum para a transmissão pública de documentos/recursos gratuito. Os leitores da Web cresceram exponencialmente, porque a partir de 1990, as notícias americanas passaram por uma rede mundial aclamada de “The Information Superhighway”.

Milhões de americanos, e depois também o resto do mundo, pulou para a Web 1.0 como a maneira moderna de receber e partilhar informações sobre o mundo.

A Web 1.0 continuou com o seu padrão de crescimento até 2001, quando, de repente, aparece o “Dot Com bubble burst”. Isto aconteceu porque muitas empresas que se inicializavam na internet não conseguiram atender às expectativas de lucro de vários milhões de doláres. Milhares de pessoas perderam os seus empregos quando os investidores descobriram que os utilizadores da web estavam a preocupados em optar por efetuar compras online e não em loja física. As pessoas simplesmente não confiavam na web o suficiente para fazer grandes gastos on-line, e muitas empresas presentes online tiveram que abrir falência e fechar. O crescimento frenético da web estagnou de repente.

A Web 1.0 acabou de ter um grande olho negro e estava prestes a sofrer uma resaca económica entre 2001 a 2004. A base de investidores original saiu do mundo digital e a Web 1.0 estabeleceu-se como um meio de transmissão baseado na partilha de informações e não na venda de produtos on-line.

Web 2.0: O mundo .com recuperou

Em 2004, a ressaca económica terminou, e a World Wide Web começou uma nova recuperação. À medida que os investidores mais sóbrios e os especialistas da área da tecnologia mais experientes perceberam que existia outras maneiras de abordar os negócios na web, as coisas mudaram. A Web 2.0 começou, com um novo segundo objetivo que foi além da transmissão de documentos.

Como a Web 2.0, a World Wide Web também se tornou um meio para serviços de software on-line. Agora, mais do que apenas animações e perfis de empresas, a web também é um canal universal onde as pessoas podem aceder ao software remoto diretamente através de um browser . Planeamento de casamentos, processamento de texto, serviços de investigação privada, serviços de e-mail, gestores de projeto,  partilha de filmes e ficheiros, serviços de design gráfico, … todas estas opções de software on-line podem ser encontradas através de um browser comum (chrome,firefox…).

Na verdade, enquanto a web continua a ser um local para partilha de documentos e informações gerais sobre o nosso mundo, agora também é um meio para ferramentas e serviços informáticos.

Não temos a certeza do que poderá ser a “Web 3.0”, mas até então, é normal cada vez mais existir  serviços centralizados na web e seus derivados.