Em profundidade: como a Samsung quer tornar as baterias mais seguras


Por em

A Samsung partilhou ontem as conclusões às explosões do Galaxy Note 7. Perto do final da conferência, a Samsung detalhou o seu programa de controlo de qualidade, um conjunto de medidas multidisciplinares que pretendem impedir que ocorra outro incidente semelhante ao do Note 7.

São medidas que irão afectar todas as envolventes da produção de baterias e componentes, pelo que apresentamos aqui somente as linhas mestras. Será nas linhas de montagem e nos laboratórios da Samsung que estas medidas ganharão forma em protocolos, práticas e padrões de qualidade.

  • A Verificação de Segurança de 8 pontos: este programa de verificação das baterias reforça a segurança desde o nível de componentes, até à montagem e envio de dispositivos. Incluem-se na verificação testes avançados (Teste de Durabilidade, Inspeção Visual, Teste de Raio X, Teste de Desmontagem e Teste OCT – tomografia de coerência óptica), bem como novos testes (Teste de Carga e Descarga, Teste TVOC – teste de químicos orgânicos voláteis – e Teste de Uso Acelerado).

 

  • O protocolo de medidas de segurança multinível da Samsung implementará padrões de segurança rigorosos em todos os elementos dos dispositivos da empresa, incluindo o design e os materiais utilizados, a resistência e as capacidades do hardware do dispositivo e algoritmos melhorados para uma temperatura, corrente e duração do processo de carregamento mais seguros.

 

  • A Samsung formou um grupo consultivo em segurança de baterias com consultores externos, composto de especialistas académicos e investigadores para garantir que a empresa mantém uma perspectiva clara e objectiva sobre inovação e segurança de baterias. Os membros incluem Clare Gray, Ph.D., Professor de Química, Universidade de Cambridge; Gerbrand Ceder, Ph.D., Professor de Ciência e Engenharia de Materiais, UC Berkeley; Yi Cui, Ph.D., Professor de Ciência e Engenharia de Materiais, Universidade de Stanford; e Toru Amazutsumi, Ph.D., CEO, consultor da Amaz Techno.

Com estas medidas, a Samsung muda o seu próprio paradigma de funcionamento, ao mesmo tempo que dá o exemplo a outras marcas, quanto aos padrões de segurança a aderir.

Afinal, tendo em conta as análises efectuadas às baterias defeituosas, conclui-se facilmente que este problema poderia ter afectado qualquer fabricante.

Com esta abordagem, a Samsung espera poder detectar precocemente todos os problemas que condenaram o Note 7, evitando riscos para os consumidores e – claro – o embaraço de um desaire custoso.

Leia também

Ou veja mais notícias de outros

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.
Anterior

O Note não está morto: Samsung Galaxy Note 8 chega em 2017

Adoraríamos um LG G6 com Snapdragon 835, mas isso não vai acontecer

Seguinte