O Homem de Neandertal sempre teve má fama, e não vai ser hoje que vai melhorar, após um grupo de investigadores ter encontrado fortes indícios da prática de canibalismo entre Neandertais do Norte da Europa.

O trabalho da equipa liderada por Hélène Rodgers incidiu sobre ossadas encontradas na chamada Terceira Caverna de Goyet. Especificamente, a equipa analisou quatro ossadas adultas e um dente infantil, um número nunca antes disponível para investigação.

A única conclusão irrefutável é que os indivíduos encontrados foram chacinados, com outro grupo Neandertal como único suspeito, visto não ser conhecida qualquer outra presença humana na região, durante o mesmo período.

As ossadas encontradas mostram ferimentos e marcas de cortes violentos que atestam uma quase certa reutilização dos cadáveres como fonte de alimentação e ferramentas. De facto, os cortes parecem ter paralelos com o modo como outras carcaças animais foram retalhadas para usos idênticos.

A equipa de investigadores é cautelosa ao afirmar que os Neandertais praticavam canibalismo e reutilização de cadáveres para fabrico de ferramentas. Todavia, realçam que as marcas nos ossos são suficientemente frescas para se assumir que os Neandertais tinham consciência de estar a retalhar carcaças humanas.

Se isto foi feito por simbolismo ou por espírito prático, os investigadores não sabem.

As motivações para o canibalismo entre seres humanos permanece um mistério. Da necessidade de alimentação, a actos ritualistas com vista a limpar cadáveres para evitar chamar predadores, as hipóteses são muitas.

Artigo integral

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.