Meizu Pro 6 Plus lançado com Exynos 8890, ecrã 2K e Android Nougat


Por em

Grande notícia do dia, a Meizu oficializou o Meizu Pro 6 Plus, um flagship sem concessões e carregado até ao tutano com hardware de topo.

A começar, temos um poderoso Exynos 8890, o mesmo processador do Samsung Galaxy S7, e que dominou os benchmarks ao longo do primeiro semestre. A par com 4GB de RAM e 64GB ou 128GB de armazenamento, o Meizu Pro 6 Plus não terá falta de capacidade de processamento, tanto mais que as memórias são UFS 2.0.

Novidade extra é o ecrã maior, com 5.7 polegadas e resolução QHD/2K, com tecnologia Super AMOLED e sensível à pressão.

Logo abaixo, o leitor de impressões digitais duplica como medidor de ritmo cardíaco.

A câmara principal passa dos 21MP para os 12MP, mas vem com estabilização óptica de imagem, autofoco por detecção de fases e laser, e um flash anelar em torno deste último módulo. Será um ponto interessante para fotografia macro, e destaca-se que o flash tem um alcance de 2 metros. A câmara frontal vem com 5MP.

Voltamos ao interior do Meizu Pro 6 Plus, onde encontramos uma bateria de 3400mAh com carregamento rápido de 24W. Mais interessante talvez, temos um DAC da ESS, mais conhecida por Sabre, que deverá garantir um áudio superior.

Em paralelo com o anúncio do Meizu Pro 6 Plus, a Meizu revelou a UI Flyme 6. O peculiar aqui será que não existe certeza que o Android de base seja já o Nougat.

A marca declarou ter introduzido 1000 aperfeiçoamentos na interface e integrado a inteligência artificial One Mind, cujos dados não são – para já – conhecidos.

Se possuem um Meizu recente, poderão experimentar uma versão Beta da Flyme 6.

Entretanto, o Meizu Pro 6 Plus terá um preço base de cerca de €450 para a versão de 64GB.

Impressionados?

Leia também

Ou veja mais notícias de outros

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.
Anterior

KuantoKusta – o comparador de preços top of mind dos portugueses

25% das redes Wi-Fi públicas não são seguras

Seguinte