Inteligência Artificial pode atingir o nível IAG e isto é perigoso!

Embora a IA tenha provado ser bastante inteligente até à data, ainda não é assim tanto como um ser humano. De facto estamos longe desse ponto, mas há pessoas que acreditam que está mais perto do que pensamos. De acordo com o chefe de IA da Google, existe uma probabilidade de 50/50 de a IA poder atingir o nível IAG (Inteligência Artificial Geral), e isso pode acontecer mais cedo do que pensamos.

Inteligência Artificial pode atingir o nível IAG e isto é perigoso!

Atualmente, existe muito medo em torno da IA. No entanto, se tm medo da IA, então não vai querer saber o que é a AGI. Basicamente, a AGI é uma IA que é tão inteligente como um humano. Os chatbots de IA modernos, como o ChatGPT, são óptimos a regurgitar a informação que lhe é apresentada. Mesmo que esteja a gerar uma história ainda não representa a verdadeira inteligência humana.

O chefe de IA da Google ainda acredita que há uma hipótese de 50/50 de alcançar a AGI num futuro próximo

Em 2011, o atual chefe de IA do Google e cofundador da DeepMind, Shane Legg, declarou publicamente que há 50% de hipótese de que a IA progrida para IAG nas próximas duas décadas. Agora, mais de uma década depois, ele não se afastou dessa ideia.

Foi numa entrevista que expressou as suas ideias sobre a IAG e quando poderíamos esperar chegar a esse ponto de desenvolvimento. Embora tenha declarado a sua posição em 2011, o seu interesse pela IA remonta a mais uma década, quando leu “The Age of Spiritual Machines”, de 1999. Apontou dois pontos principais do livro que realmente o tocaram. “Um deles é que o poder computacional iria crescer exponencialmente durante pelo menos algumas décadas. E que a quantidade de dados no mundo cresceria exponencialmente durante alguns anos”.

O livro não estava errado a este respeito, uma vez que a quantidade de dados produzidos todos os dias está a aumentar a cada dia que passa.

Dificuldades na realização da IAG

O autor previu que a IAG estaria disponível no final desta década, mas mais tarde disse que talvez não fosse esse o caso. Um dos obstáculos é o facto de ser difícil definir o que é a inteligência humana. É um conceito muito vago. “Nunca teremos um conjunto completo de tudo o que as pessoas podem fazer”.

Entretanto também disse que não haveria um teste único para ver se uma IA é suficientemente inteligente.

robô da Volkswagen

Outro ponto referido por Legg foi o facto de não sermos capazes de aumentar a escala dos modelos de IA para levar uma IA para território IAG. Neste momento, os modelos de IA que alimentam os atuais chatbots são absolutamente gigantescos. São inimaginavelmente grandes, mas não são suficientemente grandes para criar uma verdadeira AGI, de acordo com Legg.

Então, como é que vamos conseguir esta tecnologia?

Neste momento, Legg acredita que estamos no bom caminho para conseguir criar uma IAG. Agora é uma questão de saber como treinar os nossos modelos. Legg considera que as empresas devem “começar a treinar modelos agora com a escala de dados que está para além do que um ser humano pode experimentar numa vida”. É um pedido ambicioso, mas ele acredita que é exequível.

Neste momento, enquanto esperamos para ver se a humanidade vai criar a primeira IAG, as empresas ainda estão a trabalhar para tornar a sua IA mais inteligente.

Entretanto clique aqui para seguir a Leak no Google Notícias e ficar a par de todas as informações mais importantes. Pode também subscrever aqui a nossa Newsletter e receber as notícias no seu e-mail.

mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Especiais

Subscreva a Newsletter Leak

Não perca nenhuma informação importante! Subscreva a newsletter Leak e receba todas as notícias, destaques e outras informações importantes no seu e-mail.