Vodafone bloqueia publicidade em canais que promovem o ódio e/ou notícias falsas

O Grupo Vodafone anunciou novas regras globais que têm como objetivo evitar que a sua publicidade apareça em canais digitais orientados para a criação e partilha de discursos que promovem o ódio e/ou notícias falsas.

As novas regras definem aquilo que, para a Vodafone, significa “discurso de ódio” e “notícias falsas”, com o propósito de determinar se um canal digital deve ou não ser incluído numa `lista branca´ (whitelist), utilizando mecanismos de controlo implementados pela Vodafone, Google e Facebook. Estes mecanismos garantem que a publicidade da Vodafone é apenas mostrada dentro de canais selecionados e identificados como altamente improváveis de estarem centrados neste tipo de conteúdos.

Estas medidas serão revistas regularmente pela Vodafone e pela sua rede de agências a nível global (liderada pela WPP) a fim de garantir que a seleção de canais para a lista branca é equilibrada, isto é, nem demasiado restritiva nem excessivamente liberal.

Os discursos de ódio e as notícias falsas ameaçam debilitar os princípios de respeito e confiança que mantêm as comunidades unidas. A Vodafone assume um forte compromisso com a diversidade e a inclusão; damos também muito valor à integridade dos processos e das instituições democráticas, que são frequentemente os alvos dos veiculadores das notícias falsas. Não podemos aceitar que a nossa marca esteja associada a este tipo de conteúdos abusivos e perniciosos “, afirma o CEO do Grupo Vodafone, Vittorio Colao.

Gosta da Leak? Contamos consigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir.

Subscreva a newsletter Leak e tenha acesso diário aos principais destaques, ofertas e descontos nos parceiros Leak. Clique aqui

Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

Patricia Fonseca
Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.

Leia também