Cuidado! 39% dos servidores Counter-Strike 1.6 estão infectados


Por em

O franchise Counter Strike é sem dúvida fantástico. É um FPS na sua essência onde são necessários movimentos rápidos e uma boa estratégia se querem sobreviver. Com estes ingredientes não é de estanhar que muitos utilizadores sejam viciados neste título, até mesmo nas versões mais antigas. O Counter-Strike original (conhecido como Counter-Strike 1.6) ainda tem milhares de servidores dedicados e jogadores em todo o mundo.

No entanto, com ainda tanta procura, há muitos perigos à espreita.

Assim, segundo um estudo da empresa de antivírus Dr. Web, uma parte desses servidores são uma armadilha para a maioria dos jogadores.

É que estes servidores estão a ser mal-utilizados para infectar jogadores com um novo tipo de Trojan. Na prática, ele explora vulnerabilidades no cliente Counter-Strike 1.6 para levar jogadores a infectarem outros jogadores.

Counter-Strike 1.6: Como é que isto se processa?

Bem, em primeiro lugar um jogador tem de se ligar a um servidor infectado. Quando isso acontece o trojan instala-se no computador da vítima e transforma-se num servidor infectado. Quem vir o computador desse jogador, vai pensar que é um servidor e cai na armadilha. É assim que isto se propaga.

Normalmente, estes servidores infectados têm um ping baixo. Isto leva a que pareçam muito apelativos. Assim que um jogador se liga a este servidor, passa também a estar infectado e o ciclo repete-se.

Counter-Strike 1.6: Qual o objetivo desta ameaça?

Aparentemente, o objetivo é promover outros servidores em troca de dinheiro.

É um negócio mau, mas é muito lucrativo. Segundo esta empresa de segurança, 39% de todos os jogadores de Counter-Strike estão infectados. Isto traduz-se em cerca de 1951 servidores infectados.

A empresa Dr. Web já informou a Valve acerca deste problema. No entanto, ainda não existe previsão para qualquer correção.

Leia também

Ou veja mais notícias de Featured, Jogos

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.