Ainda vai a tempo de ter um clone virtual e viver para sempre!

As pessoas poderão viver o tempo suficiente para verem os cérebros humanos serem transferidos para computadores, segundo os cientistas. É uma forma de poder “viver para sempre” – transferindo as nossas mentes para sistemas informáticos que não envelhecem nem morrem. Agrada-lhe a ideia de ter um clone virtual?

Ainda vai a tempo de ter um clone virtual e viver para sempre!

Criar um clone virtual da sua própria mente é uma das formas que os “transhumanistas” consideram para podermos viver para sempre

Mas o que é o transhumanismo?

Assim é um movimento que pretende utilizar a tecnologia e a ciência para tornar as pessoas efetivamente imortais. Ao criarmos uma cópia virtual de nós próprios num computador, poderemos viver muito para além do tempo de vida dos nossos corpos carnudos, defendem os transumanistas.

E esse futuro poderá não ser daqui a centenas de anos, mas sim durante a nossa vida, segundo Clas Weber, professor catedrático da Universidade da Austrália Ocidental, especializado em filosofia da mente, IA e metafísica.

“Foram necessários anos e centenas de milhões de dólares para mapear o primeiro genoma humano há cerca de 20 anos”, explicou Weber.

“Atualmente, os laboratórios mais rápidos conseguem fazê-lo em poucas horas por cerca de 100 dólares.

“Com ganhos de eficiência semelhantes, poderemos ver a tecnologia de carregamento da mente durante a vida dos nossos filhos ou netos.”

Weber disse que é possível mapear o cérebro de um rato dentro de uma década – mas a mente humana é muito mais complicada.

E mesmo quando conseguirmos mapear um cérebro humano, ainda há um longo caminho a percorrer.

Há três obstáculos que a humanidade precisa de ultrapassar antes de podermos realmente transferir as nossas mentes para os computadores.

O primeiro é ser capaz de desenvolver a tecnologia que permita pegar num cérebro, cloná-lo e transferi-lo apenas para um computador.

realidade virtual cancro
Doctor using a virtual reality headset. Futuristic concept of doctor training with virtual or augmented reality. Generative AI.

“Tentar simular o cérebro humano seria um desafio monumental”, advertiu Weber.

“Os nossos cérebros são as estruturas mais complexas do universo conhecido. Albergam cerca de 86 mil milhões de neurónios e 85 mil milhões de células não neuronais, com um número estimado de um milhão de milhar de milhões de ligações neurais.

“A título de comparação, a galáxia Via Láctea alberga cerca de 200 mil milhões de estrelas”.

A segunda questão é se o cérebro simulado pode ou não “dar origem a uma mente real”.

Para que isso aconteça, é necessário utilizar as aplicações de IA do futuro.

A IA chegou para imitar algumas partes do funcionamento da mente humana – e poderá ser muito mais poderosa nas próximas décadas.

Entretanto a terceira questão é se uma mente virtual criada através deste processo se torna realmente “uma pessoa”. “Só então é que a transferência da mente se torna uma forma de viver”, explicou Weber.

“Imagine que o seu cérebro passa para o crânio vazio do corpo de outra pessoa. A pessoa resultante, que tem as suas memórias, preferências e personalidade, é você? Ou é a pessoa que doou o seu corpo? Por outras palavras ganhou um novo corpo ou alguém ganhou uma nova mente?

Entretanto clique aqui para seguir a Leak no Google Notícias e ficar a par de todas as informações mais importantes. Pode também subscrever aqui a nossa Newsletter e receber as notícias no seu e-mail.

mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Especiais

Subscreva a Newsletter Leak

Não perca nenhuma informação importante! Subscreva a newsletter Leak e receba todas as notícias, destaques e outras informações importantes no seu e-mail.