Agora já é possível prever ataques cardíacos com o smartphone


Por em

Normalmente utilizamos o nosso smartphone para comunicar, navegar na Internet, ver o email, ou andarmos pelas redes sociais. No entanto, este dispositivo que anda sempre connosco pode ser essencial para salvar a nossa vida e prever ataques cardíacos,  especialmente se tivermos um smartwatch.

Tudo o que necessita é de um smartwatch com a capacidade de verificar os batimentos cardíacos e da aplicação Cardiogram instalada no seu telemóvel. Caso o faça, vão ficar com um sistema que tem a capacidade de detetar problemas cardíacos com uma eficácia de 97%. Para além disso esta aplicação consegue detetar ainda questões de hipertensão e até apneia do sono.

prever ataques cardíacos

Prever ataques cardíacos: Uma rede neural que analisa todos os dados

O principal responsável por todo este sistema que pode salvar a sua vida chama-se DeepHeart e consiste numa rede neural que é utilizada para analisar os dados recolhidos e descobrir potenciais problemas.

A rede neural DeepHeart utiliza duas métricas simples para conseguir grandes feitos, como detectar a Fibrilhação Auricular e a apneia do sono – dados de frequência cardíaca e contagem de passos.

[bkinfobox title=”Apneia do sono” backgroundcolor=”#F8F8F8″ ]O Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS) é uma perturbação respiratória relacionada com o sono, de maior gravidade que a roncopatia simples e consiste na cessação do fluxo respiratório durante o sono por mais de 10 segundos e mais de 5 vezes por hora devido ao colapso da via aérea superior. A consequência direta da apneia do sono é a alteração do padrão do sono, onde há uma incapacidade de se atingir as fases profundas, que são as fases restauradoras, as que permitem odescanso físico e mental. [/bkinfobox]

[bkinfobox title=”fibrilhação auricular” backgroundcolor=”#F8F8F8″ ]A fibrilhação auricular é a arritmia crónica mais frequente com uma prevalência superior a 6% a partir da sexta década de vida. Na FA há uma perda da função mecânica auricular, o que leva à estagnação do sangue e à formação de coágulos nas aurículas, que podem desprender-se e embolizar as artérias cerebrais. A FA é responsável por 15% dos AVCs. Os factores de risco mais frequentes são a idade avançada, a hipertensão arterial, a diabetes e a insuficiência cardíaca.[/bkinfobox]

Isso levanta uma questão: como é que a DeepHeart deteta afibrilhação auricular e a apneia do sono através da frequência cardíaca e da contagem de passos?

Tudo depende da interpretação que o DeepHeart faz desses dados e sobretudo da forma como esses dados podem ser interligados.

Se estiver sentado e se levantar para ir à casa-de-banho, o ritmo cardíaco vai subir. Por outro lado, quando parar de se mexer o ritmo cardíaco vai diminuir. A forma como diminui e a análise da recuperação da frequência cardíaca pode revelar problemas de hipertensão e de doença cardiovascular.

Prever ataques cardíacos: O que precisa de fazer?

Para começar desde já a prevenir eventuais ataques cardíacos necessita, conforme referimos, duas coisas. Um smartphone e um smartwatch. Ao nível do smartphone pode ser qualquer um desde que tenha sistema operativo Android ou iOS. A outra coisa de que necessita é de um smartwatch, mas não pode ser qualquer um. Certifique-se que tem um sensor de batimentos cardíacos! Se necessitar de ajuda e tiver dúvidas, pode questionar-nos através da caixa de comentários que nós indicamos se um determinado modelo tem ou não.

Se já tem o smartwatch e o smartphone então apenas necessita de instalar a aplicação grátis que está disponível para Android aqui e para iPhone aqui. E pronto agora é começar a utilizá-la e passar desde já a prevenir eventuais ataques cardíacos e outros problemas.

Dúvidas na instalação ou configuração? Nós ajudamos. Recorra, por favor, à caixa de comentários.

Leia também

Ou veja mais notícias de Especiais

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.
Anterior

Andámos com o Seat Ibiza ’14 – Vale ou não a pena?

Dr Fone: aplicação iOS e Android que resolve muitos problemas

Seguinte