Campanha de espionagem contra instituições governamentais ucranianas continua ativa

Os investigadores da ESET têm seguido de perto uma campanha de espionagem desde meados de 2017 e a sua análise mostra que os cibercriminosos continuam a melhorar os seus ataques com novas versões dos seus instrumentos de espionagem.

De acordo com a telemetria, os alvos dos ataques são instituições governamentais ucranianas, com centenas de vítimas em diferentes organizações. Os ataques usam RATs (Remote Access Tools) para extrair documentos sensíveis dos computadores das vítimas.

A ESET detetou três versões distintas de RATs nestas campanhas: Quasar, Sobaken e Vermin. Todas as três variantes de malware têm sido usadas simultaneamente contra diferentes alvos, partilhando parte da sua infraestrutura e ligando-se aos mesmos servidores C&C (Comando e Controlo).

O Quasar é um RAT open-source, disponível gratuitamente no GitHub. Por sua vez, o Sobaken é uma versão modificada do Quasar. Finalmente, o Vermin é um RAT personalizado, escrito em .NET tal como os outros dois.

As campanhas analisadas baseiam-se em simples engenharia social, instalando-se na pasta AppData numa subpasta com o nome de uma empresa legítima depois da vítima executar o software malicioso, normalmente disfarçado de anexo de email inocente. A partir daí, o malware cria uma tarefa agendada que corre a cada 10 minutos para garantir a sua persistência.

Estes atacantes não receberam tanta atenção mediática como outros cibercriminosos cujos alvos também são organizações ucranianas. No entanto, provaram que com truques de engenharia social, ataques de ciberespionagem podem ter sucesso mesmo sem malware sofisticado. Isto demonstra a necessidade de treinar os empregados no que toca a cibersegurança, para além de ter uma solução de segurança de alta qualidade implementada.

Patricia Fonseca
Viciada em tecnologia, entrou para a equipa em 2012 e é responsável pela Leak Business, função que acumula com a de editora da Leak. Não dispensa o telemóvel nem o iPod e não consegue ficar sem experimentar nenhum dispositivo tecnológico.