As luzes LED queimam-se como as incandescentes?

Pode parecer uma pergunta com uma resposta óbvia, mas não é. As luzes LED queimam-se da mesma forma que as lâmpadas incandescentes tradicionais? Na realidade não e isto ao contrário do que muitas pessoas pensam. No entanto isso não significa que não tenham problemas e por vezes são realmente muitos!

As luzes LED queimam-se como as incandescentes?

As luzes LED têm um modo de funcionamento diferente das lâmpadas tradicionais. Dito isto, quando uma lâmpada incandescente atinge o fim do seu ciclo de vida, o filamento queima, muitas vezes com barulho ou com um grande clarão de luz.

luzes LED queimam-se

As lâmpadas de LED funcionam de forma muito diferente e acabam por se gastar. Uma lâmpada incandescente funciona enviando uma corrente eléctrica através de um filamento até que o filamento fique quente e emita luz. Os LEDs são díodos emissores de luz. Em contraste. Eles emitem-na quando um diodo especial é excitado pela electricidade.

Salvo alguma falha catastrófica do sistema eléctrico que alimenta o diodo, ele nunca “se queimará”. Torna-se simplesmente cada vez menos eficiente com o tempo. Por exemplo, quando lê a documentação de uma lâmpada LED ou qualquer outro equipamento de iluminação do género verá estimativas de vida útil como 50.000 horas.

- Advertisement -

luzes LED queimam-se

Essa estimativa não indica que com 50000 horas de funcionamento, o LED irá rebentar e queimar. A estimativa indica que em 50000 horas, o LED terá perdido eficiência suficiente e já não será tão brilhante como costumava ser. Em teoria, uma lâmpada de LED pode durar um milhão de horas ou mais, mas no final, a lâmpada pode emitir apenas tanta luz como uma lâmpada fraca de noite – ou tão pouca luz que só será visível numa sala totalmente escura.

O termo industrial para a perda de luz ao longo do tempo é “depreciação do lúmen”, e é expresso como uma percentagem que indica a luminosidade restante do LED.

O significado das designações na caixa

Se um LED for rotulado como durando 50000 horas com uma classificação L70, isso indica que com 50000 horas, o LED será 70% tão brilhante como era (ou, para dizer o inverso, será 30% mais escuro). Uma classificação L70 é digamos a base. Se não encontrar qualquer referência a isto então a luz LED é provavelmente L70.

luzes LED queimam-se

Se quiser lâmpadas com uma vida útil mais longa, vale a pena examinar a caixa com atenção ou procurar um produto com melhores especificações técnicas. Muitas lâmpadas LED mais caras têm classificações L80, L90, ou mesmo “> L90” indicando que após a vida útil declarada, digamos, 50000 horas, serão 80%, 90%, ou superiores a 90% tão brilhantes como eram quando novas.

Mas atenção não confunda a classificação L com a classificação CRI (Color Rendering Index), que também é normalmente expressa com números semelhantes como CRI-80, CRI-90, e CRI-90+. Estes números referem-se a quão perto a fonte de luz artificial imita a luz pura do sol do meio-dia, e quanto mais perto de 100 o número, melhor.

Se um LED não se queima mas, em vez disso, desaparece lentamente ao longo de anos e anos de utilização, porque é que por vezes aparecem queimados?

O culpado é quase sempre o circuito interno dentro da caixa da lâmpada e não o LED em si.

Ao contrário das lâmpadas incandescentes, as lâmpadas de LED têm mais coisas no interior. Dentro de uma lâmpada incandescente, não há muito mais do que um simples circuito com um filamento no meio para produzir luz. Dentro de uma lâmpada de LED, por outro lado, existe uma pequena placa de circuito com múltiplos componentes.

Quando uma lâmpada de LED “queima”, é quase sempre porque algum componente da placa de circuito falhou, seja devido a um defeito de fabrico ou porque a lâmpada sobreaqueceu. Apesar de não aquecerem muito, num espaço fechado, o calor acumula-se e tem o potencial de danificar a electrónica dentro da lâmpada.

Portanto, se quiser evitar desperdiçar dinheiro em lâmpadas LED é sensato investir em produtos de qualidade.

Entretanto clique aqui para seguir a Leak no Google Notícias e ficar a par de todas as informações mais importantes. Pode também subscrever aqui a nossa Newsletter e receber as notícias no seu e-mail.

mm
Bruno Fonseca
Fundador da Leak, estreou-se no online em 1999 quando criou a CDRW.co.pt. Deu os primeiros passos no mundo da tecnologia com o Spectrum 48K e nunca mais largou os computadores. É viciado em telemóveis, tablets e gadgets.

Especiais

Subscreva a Newsletter Leak

Não perca nenhuma informação importante! Subscreva a newsletter Leak e receba todas as notícias, destaques e outras informações importantes no seu e-mail.