Primeiras impressões Huawei Mate 9: do marketing à realidade, as perguntas a fazer antes de o comprar

Quando no dia 21 de Novembro o Huawei Mate 9 chegar às lojas Portuguesas, os utilizadores terão algumas coisas a perguntar ao vendedor antes de tomarem a decisão final.

O Huawei Mate 9 é um phablet com um ecrã 5.9 polegadas FHD vocacionado para consumidores que valorizam a produtividade e o desempenho. O processador octa core Kirin 960 vem com 4GB de RAM e 64GB de armazenamento interno expansível, sendo o primeiro no mercado com os novos e eficientes núcleos Cortex A73.

Do lado das câmaras, voltamos a ter um módulo duplo principal que se destaca pela câmara monocromática Leica de 20MP.

Ainda a destacar é a bateria de 4000mAh de carregamento ultra rápido, e a construção em metal de acabamentos excepcionais.

Mas, depois de ler tudo isto, é normal que queira saber se a realidade cumpre as promessas do marketing, e tenha muito que perguntar ao vendedor.

Para que não tenha de o fazer, ficam aqui as nossas respostas, baseadas em duas semanas de experiência contínua: as promessas que o Huawei Mate 9 cumpriu (ou não).

 

  • O Huawei Mate 9 garante-me performance face à concorrência? 

É preciso dizer primeiro que não há bem concorrência directa ao Huawei Mate 9. Performance superior ou ecrã volumoso, costuma ser a fórmula. O Mate 9 revoluciona este ponto ao possuir as duas características.

mate-5Em pura performance não há neste momento um smartphone que ultrapasse o Huawei Mate 9. Lado a lado com flagships de outras marcas na sua gama de preço, o Mate 9 fez download mais rápido, instalou e iniciou mais depressa apps e jogos. Depois correu-as com competência e sem soluçar. Apenas em desempenho gráfico os dispositivos com a Adreno 530 mostraram capacidade para o superar nas condições mais extremas.

De resto, o Kirin 960 parece ser o rei e o senhor do mercado actual.

Mais importante, face aos seus antecessores Mate 8 e Mate S, a capacidade de processamento do Mate 9 está a anos luz de distância, uns bons 30% que são extremamente fáceis de contabilizar em utilização normal.

A reter: se processamento puro é o que precisamos, o Mate 9 está na linha da frente.

 

  • A bateria dura mesmo dois dias? 

mate-4Os 4000mAh irão durar bem até meio do segundo dia para um utilizador regular. Para um utilizador extremo, dura bem o dia todo, com margem de manobra.

Num dia típico, o Huawei Mate 9 desperta perto das 6:30. Às 8 estamos fora de casa com a rede de dados ligada, o Google Play a ajudar-nos a acordar, as notícias a serem lidas, os artigos a serem esboçados e as SMS a serem respondidas.

A rede de dados vai ficar ligada o dia todo, até perto das 19H, por puro esquecimento, algo fatal noutros dispositivos. Passamos para Wi-Fi por esta hora e entretanto já fizemos cerca de uma hora de telefonemas, quatro ou cinco horas de música, quatro textos para a Leak, e voltamos a trocar emails e mensagens.

Às oito da noite estamos com 20 a 30%, acabamos por ligar o Mate 9 à corrente perto da meia noite, com 15-20% e após mais artigos e uma hora de telefonemas.

Em dias menos típicos, com a música a ir por Bluetooth e utilização mais intensa, a bateria drena obviamente mais depressa, mas também pode ser fortemente poupada com a resolução do ecrã reduzida, gestão activa das apps em segundo plano, ou desligar a rede de dados.

Num dia mais poupado, um Domingo, por exemplo, o carregamento chega bem para a Segunda feira.

Esta performance é, de longe, a melhor que obtivemos desde o Huawei Mate 8.

A reter: O Huawei Mate 9 mostra os melhores tempos de duração da bateria do último ano.

  • E a bateria carrega numa hora sem aquecer? 

A Huawei afirmou que a bateria de 4000mAh carrega em uma hora. Pensemos que isto é em condições ideais, quando o smartphone está em repouso, sem notificações, etc.

Mas mesmo que deixemos a rede ligada e continuemos a receber notificações temos que dizer que sim, a bateria do Huawei Mate 9 carrega numa hora.

Mais minuto, menos minuto, assumindo que deixamos a carga bater nos 10%, em meia hora está nos 50% e em 50 minutos chega aos 90%. Em pouco mais de hora e dez, temos praticamente uma carga completa.

O mais interessante é que o Mate 9 mal aquece em todo o processo. Estamos no Inverno, é certo, mas a concha fica morna na melhor das hipóteses.

Isto significa melhor eficácia da bateria e maior durabilidade.

A reter: dos 0 aos 4000mAh em uma hora? Plausível.

 

  • A câmara Leica é realmente especial? 

Aqui temos de deixar que as imagens falem por nós. Um ponto de preocupação para muitos será a abertura de f/2.2, potencialmente pouco adequada a baixa luz. Mas como já dissemos, sem o filtro RGB monocromático, o sensor capta mais luz que um sensor equivalente com a mesma abertura.

Mas igualmente importante é que o Mate 9 nos deu a melhor performance que já vimos com ISO3200, valor inimaginável para outros smartphones, em que o detalhe se transformaria em papa. Os algoritmos jpeg são excepcionais a nivelar o ruído que notamos nos ficheiros RAW originais.

São dos melhores jpeg que qualquer smartphone alguma vez produziu, os melhores de sempre num Huawei.

Outro factor a levar em consideração é a qualidade do zoom disponível quando utilizamos a resolução 12MP e que não mostra qualquer perda de qualidade.

Alguns vícios subsistem, como a pior qualidade nos cantos, problema transversal aos telemóveis. Mas se quer aproveitar fotografia a sério, o Huawei Mate 9 consegue superar a nossa escolha de topo até agora, o Huawei P9.

A reter: Os amantes da fotografia terão dificuldade em não se impressionar com a câmara do Huawei Mate 9

[carousel ids=”40082,40081,40080,40079,40078,40077,40076,40075″]

 

  • E a interface nova funciona bem? 

mate-2É um ponto onde a Huawei melhorou significativamente. A nova EMUI 5.0 com Android Nougat é rápida e fluída, sendo obviamente parte da razão pela qual a performance é tão positiva.

Limpa e menos agarrada ao iOS, a interface do Huawei Mate 9 é a mais interessante de sempre num terminal da marca.

Tem funcionalidades extensas para monitorizar a bateria, calibrar a performance e optimizar o terminal. Curiosamente não crashou uma única vez, apesar de estarmos com um dispositivo pré série, onde já fizemos de tudo, desde emails básicos a jogos complexos ou vídeos da Netflix.

Existe ainda um algoritmo de machine learning que promete manter o smartphone rápido – até torná-lo ainda mais rápido – com a utilização, à medida que o algoritmo capitaliza nos recursos das apps mais utilizadas e nas suas necessidades específicas.

Não são dias que nos permitem verificar quão bem este método funcionará, claro.

A única omissão estranha é mesmo não termos implementado um duplo toque para ligar o ecrã.

A reter: a EMUI 5.0 é a melhor interface de sempre da Huawei e encontra-se num nível de qualidade correspondente às aspirações do Mate 9.

 

  • O Huawei Mate 9 é fiável? 

Como já dissemos, já fizemos de tudo com e no Huawei Mate 9 sem um único crash ou soluço.

A Huawei tem mostrado não ser há muito uma marca barata, mas um fabricante de qualidade.

A qualidade de construção é um ponto que joga a seu favor. Os acabamentos são excelentes, e o metal escovado acrescenta-lhe estilo. A superfície, no geral, é pouco propensa a captar impressões digitais e mantém-se razoavelmente limpa.

Embora não tenham sido revelados dados de certificação contra humidade ou poeira, os Huawei são submetidos a duros testes de resistência e não têm um historial de falhas. O resultado, neste caso, é um dispositivo de visível solidez e estilo.

 

  • O Huawei Mate 9 é seguro? 

Se um smartphone se posiciona no segmento empresarial, é normal que perguntemos se é seguro.

O Huawei Mate 9 é, quanto ao autor, o Huawei mais seguro de sempre. Dos mais seguros do mercado, eventualmente, porque disso se encarrega o Android 7.0 Nougat.

Mas a já mencionada EMUI 5.0 introduz igualmente um espaço privado acessível com uma impressão digital específica e onde podemos manter a vida profissional separada da privada para maior segurança

Os espaços são estanques e limitam a possibilidade de contágio de vírus ou malware a ambos os espaços. Registos de chamadas ou contas podem ser diferentes, e assim nunca vamos ter que dizer ao chefe que o puto apagou documentos por acidente.

Além disto podemos criar os habituais espaços para convidados.

 

  • E que mais?

Para saber tudo, mas mesmo tudo sobre o Huawei Mate 9, não pergunte a nenhum vendedor. A Leak terá uma análise aprofundada pronta na página principal e uma dedicada à fotografia.

Fique atento às nossas páginas.

Gosta da Leak? Contamos consigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir. Obrigado!

Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

Leia também

Deixe um comentário