25% das redes Wi-Fi públicas não são seguras

Depois de analisar informações a mais de 31 milhões de redes Wi-Fi públicas ou hotspots em todo o mundo, a Kaspersky Lab descobriu que 25% destas – ou seja, uma em cada quatro – não são seguras e que colocam em risco os dados pessoais dos utilizadores. Isto significa que tudo o que é transmitido através destas redes, incluindo mensagens pessoais, palavras-passe, documentos e outras informações, é facilmente intercetado e utilizado pelos hackers.

Segundo a Kaspersky Security Network, 25% das redes Wi-Fi em todo o mundo não têm qualquer encriptação ou palavras-passe de proteção. Outros 3% de hotspots utiliza WEP (Wired Equivalent Privacy) para encriptar os dados. Este protocolo é pouco seguro e pode ser quebrado num espaço de minutos com a utilização de ferramentas disponíveis, gratuitamente, na Internet.

Os outros cerca de três quartos de hotspots de Wi-Fi utilizam uma forma mais fiável de encriptação, baseada na família de protocolos de Wi-Fi Protected Access (WPA). O esforço que é necessário para invadir estas redes depende das configurações, incluindo a resistência das palavras-passe. Por exemplo, se for uma palavra-passe fraca ou publicamente acessível (ex.: disponível num café), um hacker será capaz de decifrar qualquer transmissão pela mesma.

É importante referir que os 20 países com as percentagens mais elevadas de hotspots de Wi-Fi não encriptados incluem alguns dos destinos turísticos mais populares, como Tailândia, França, Israel, os E.U.A., entre outros. Os turistas estão entre os utilizadores mais vulneráveis, já que, frequentemente, o hotspot de Wi-Fi mais perto de si é a única maneira de se manterem ligados.

“Aconselhamos todos os utilizadores a estarem constantemente alerta quando se ligados a uma rede Wi-Fi. Não utilizem hotspots que não solicitam palavras-chave para realizar atividades de alto risco como aceder à conta bancária online ou fazer compras da mesma forma, bem como transferir informações confidenciais. Se esse conjunto de informações for intercetado por terceiros, pode resultar em graves perdas para o utilizador. E, claro, recomendamos fortemente a utilização de medidas adicionais para proteger estas ações, como uma tecnologia VPN (Virtual Private Network),” explica Alfonso Ramirez, Diretor Geral da Kaspersky Lab Iberia.

As soluções de consumo da Kaspersky Lab integram agora a nova funcionalidade da Secure Connection que encripta todos os dados enviados e recebidos. Dependendo das configurações do utilizador, a Secure Connection pode ser utilizada automaticamente quando há a tentativa de conexão a redes pouco seguras, ou quando estão a ser realizadas operações potencialmente vulneráveis online.

Gosta da Leak? Contamos consigo! Siga-nos no Google Notícias. Clique aqui e depois em Seguir. Obrigado!

Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.

Leia também

1 comentário em “25% das redes Wi-Fi públicas não são seguras”

  1. Interessante este estudo e esperamos que os dados enviados pelos agentes de sfotware Kaspersky, para este e outros estudos, sejam devidamente anonimizados, para proteção da privacidade dos utilizadores do software

Deixe um comentário