1000ppi de pura resolução: conheça o novo painel IGZO da Sharp


Por em

Vivemos numa altura em que os ecrãs possuem resoluções cada vez maiores, com o HD relegado para a gama de entrada e o FHD a tornar-se o padrão para os smartphones de respeito. Mesmo assim, 500 pixéis por polegada é um bom valor, mesmo para ecrãs como os de smartphones com ecrãs 2K/QHD como o fenomenal Samsung Galaxy S7 ou o bem recebido Alcatel Idol 4S. É por isso que a revelação da Sharp de um novo painel IGZO com 1000ppi é inquestionavelmente extraordinária.

Com 1000ppi, os ecrãs 4K podem tornar-se uma realidade a curto prazo, excedendo os cerca de 800ppi do ecrã do Sony Xperia Z5 Premium. Existe quem aponte o 4K como já estando para lá da capacidade do olho humano para distinguir pontos isolados, e é precisamente isso que torna a resolução tão apetecível hoje em dia, graças à realidade virtual que coloca ecrãs a poucos centímetros dos nossos olhos, permitindo-nos distinguir pixéis totalmente inestéticos e percepcionar facilmente as aberrações cromáticas provocadas pelos filtros RGB.

Portanto, porquanto o painel ainda vá demorar algum tempo a ser fabricado em massa, a tecnologia deverá vender como bolinhos quentes, à medida que fabricantes procuram novas vantagens num mercado altamente concorrencial, e não nos admiraríamos se já em 2017 encontrássemos os primeiros dispositivos e óculos VR com este tipo de densidade de pixéis.

Quanto aos ecrãs IGZO, estes recorrem a uma combinação de índio, gálio, zinco e oxigénio, que obtém cerca de 20 a 50 vezes a mobilidade de electrões por comparação ao silicone mais tradicionalmente utilizado. Os painéis IGZO também se caracterizam por um maior rácio de abertura, ou – grosso modo – a área transparente deixada livre, face aos transístores e ao tamanho dos pixéis. Quanto maior a área transparente, mais eficaz será o painel, porque menos energia será necessária para retroiluminar os pixéis.

Mas à medida que os pixéis diminuem para maior resolução e os transístores não acompanham, cada vez mais a superfície transparente é proporcionalmente menor, tornando os painéis pouco eficientes energeticamente. Mas a tecnologia IGZO permite substituir o silicone semi-transparente por IGZO no fabrico dos transístores, tornando-os efectivamente transparentes e voltando a aumentar o rácio de abertura. Os painéis IGZO podem por isso aumentar a resolução sem necessitarem de luz extra para iluminar cada pixel.

Via Ubergizmo

 

Leia também

Ou veja mais notícias de outros

Acompanhe ao minuto as últimas noticias de tecnologia. Siga-nos no Facebook, Twitter, Instagram! Quer falar connosco? Envie um email para geral@leak.pt.
Anterior

Do Daydream ao Google Home: as grandes novidades da Google

Lenovo Phab 2 Pro: primeiro smartphone Projecto Tango confirmado para Novembro

Seguinte